PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Líder do governo na Câmara nega envolvimento com compra da Covaxin

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

“Não sou esse parlamentar citado”, diz Barros.

PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) afirmou, nesta sexta-feira (25), que o líder do governo da Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), estaria à frente de um suposto esquema de superfaturamento relacionado à compra de vacinas da Covaxin.

A declaração foi feita durante depoimento à CPI da Pandemia no Senado Federal.

Miranda disse que o presidente Jair Bolsonaro citou o nome de Barros ao ser informado sobre o esquema durante reunião no dia 20 de março no Palácio da Alvorada, em Brasília.

Em mensagem no Twitter, Barros negou participação na “compra das vacinas”:

“Não participei de nenhuma negociação em relação à compra das vacinas Covaxin. Não sou esse parlamentar citado. A investigação provará isso.” 

O deputado também negou que tenha indicado a servidora Regina Célia, que teria autorizado a importação da Covaxin:

“Também não é verdade que eu tenha indicado a servidora Regina Célia como informou o senador Randolfe. Não tenho relação com esse fatos.”

Durante participação na CPI da Pandemia, Miranda apontou Barros como o responsável pela nomeação da servidora do Ministério da Saúde, Regina Célia Silva de Oliveira, que teria autorizado o pagamento de US$ 45 milhões em nome de uma offshore, de forma antecipada, para o recebimento de 300 mil doses da vacina indiana.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Encontrou um erro?

Para comunicar um erro de português, de informação ou técnico, preencha o formulário abaixo.