Lula pode tentar ser candidato mesmo condenado no TRF-4

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Apesar do grande show montado para o julgamento desta quarta-feira (24/01), o ex-presidente Lula ainda vai continuar presente mantendo a narrativa petista em evidência durante toda campanha presidencial de 2018.

De acordo com informações da Reuters:

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode buscar ser candidato à Presidência da República mesmo que sua condenação seja confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) na quarta-feira e o imbróglio envolvendo sua candidatura pode se arrastar com a campanha eleitoral a todo vapor, disseram especialistas ouvidos pela Reuters.

O recurso da defesa de Lula contra a sentença de 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, imposta pelo juiz federal Sérgio Moro no caso envolvendo um apartamento tríplex no Guarujá, será analisado pela 8ª Turma do TRF-4 na quarta, mas essa análise não põe fim à grande questão em torno da corrida presidencial deste ano: se Lula será ou não candidato?.

Isso porque, explicaram os especialistas, a elegibilidade de um candidato só é analisada a partir do momento que se pleiteia o registro de candidatura junto à Justiça Eleitoral. Até o prazo final para registro de candidaturas, em 15 de agosto, Lula poderá, caso tenha a condenação confirmada pelo TRF-4 na quarta, recorrer ao próprio tribunal e, se não for bem-sucedido, poderá ir ao Superior Tribunal de Justiça e até ao Supremo Tribunal Federal (STF).

A expectativa é que, se condenado na quarta e tenha os recursos ao TRF-4 negados, Lula vá ao STJ e tente que o tribunal lhe dê uma liminar que permita buscar o registro de sua candidatura junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

“O problema é que, por se tratar de uma liminar, uma decisão provisória e bastante precária, ela corre o risco de ser derrubada. Se ela eventualmente vier a ser derrubada, isso pode gerar uma confusão muito grande, uma indefinição”, disse a professora de Direito Eleitoral da Fundação Getulio Vargas (FGV) Silvana Batini.

Os especialistas ouvidos pela Reuters lembram que Lula poderá pedir o registro de sua candidatura mesmo que, com a condenação confirmada no TRF-4, não consiga uma liminar. Neste caso, diante de uma provável negativa de registro pelo TSE, o petista poderá recorrer ao Supremo.

Além disso, até que o TSE julgue o pedido de registro, Lula poderá fazer campanha normalmente.

O presidente da Comissão de Direito Eleitoral do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Erick Pereira, afirmou que a lei permite que um candidato sub-júdice dispute a eleição “por sua conta e risco”. Ou seja, pode ganhar, mas não levar.

Assim, há a possibilidade, por exemplo, de Lula ter o nome na urna eletrônica mas, considerado inelegível, seus votos serem computados para um outro candidato, indicado para substituí-lo pelo PT ou por sua coligação.

Outra possibilidade é, vencendo a eleição, Lula ser impedido de tomar posse, caso caia a liminar que eventualmente tenha lhe garantido o registro.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.