Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Maior filamento intergaláctico já descoberto é identificado

Maior filamento intergaláctico já descoberto é identificado
COMPARTILHE

Estrutura de proporções inimagináveis foi identificada através do telescópio eROSITA.

Filamentos intergalácticos são, basicamente, estruturas compostas por gás cósmico que envolvem e conectam galáxias e aglomerados galácticos. 

Estes filamentos formam uma rede que se estende pelo Universo, alcançando dimensões extraordinárias. 

Recentemente, uma equipe de cientistas da Universidade de Bonn, na Alemanha, anunciou a identificação do mais longo filamento intergaláctico de que se tem notícia. 

O filamento em questão estende-se por pelo menos 50 milhões de anos-luz. 

Foto: Reprodução/Reiprich et al./Astronomy & Astrophysics 

A estrutura de proporções inimagináveis foi identificada através do telescópio espacial eROSITA, do Instituto Max Planck de Física Extraterrestre

Este telescópio alemão é dotado de componentes supersensíveis à radiação de raios-X, que é emitida pelo gás que compõe os filamentos intergalácticos. 

Dessa forma, os pesquisadores foram capazes de gerar imagens em altíssima resolução de estruturas cósmicas. 

Além disso, foi graças à capacidade do equipamento que os astrônomos conseguiram estudar as galáxias que formam os conglomerados, detectar o imenso filamento que envolve e conecta o trio.  

Foto: Reprodução/Reiprich et al./Astronomy & Astrophysics

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
1 Comentário
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
Conan
Conan
20 dias atrás

O Universo não é infinito…..mas é! Nunca seremos capazes de compreende-lo completamente, muito menos domina-lo, nem nossa galáxia, mas se conseguirmos colonizar o nosso sistema solar e as estrelas mais próximas já será um grande feito para uma espécie que faz de tudo para se autodestruir!

PUBLICIDADE