Português   English   Español

Maioria dos muçulmanos na Europa acredita na supremacia do Islã

muslim-prayers-rome

Uma análise de pesquisas realizadas entre migrantes muçulmanos na Europa mostra que a maioria deles dão preferência a lei da sharia em relação ao código de leis nacional e acredita na supremacia do islamismo em relação a outras religiões, de acordo com o Instituto Gatestone.

Citando um estudo recente feito por Ednan Aslan, professor de Educação Religiosa Islâmica na Universidade de Viena, o Instituto informou que, para mais de 51% dos entrevistados, a supremacia do Islã sobre outras religiões é incontestável e 55% acreditam no inferno para incrédulos.

Aslan entrevistou uma amostra de 288 dos cerca de 4.000 migrantes predominantemente afegãos na cidade austríaca de Graz, em nome do Departamento de Integração da prefeitura.

Outro estudo de 2016 no Reino Unido mostrou que 43% dos britânicos muçulmanos “acreditavam que partes do sistema jurídico islâmico deveriam substituir a lei britânica enquanto apenas 22% se opuseram à ideia“, ressaltou o Instituto.

Em outra pesquisa, também de 2016, foi descoberto que quase 1/4 dos muçulmanos apoiou a introdução da Lei de Sharia em algumas regiões da Grã-Bretanha e 39% concordaram que “as esposas sempre devem obedecer seus maridos“. Quase 1/3 achou aceitável que um homem muçulmano britânico tivesse mais de uma esposa.

O Instituto também citou um estudo de 2014 sobre muçulmanos marroquinos e turcos na Alemanha, França, Holanda, Bélgica, Áustria e Suécia, que revelou que uma média de 65% afirmou que a Lei de Sharia é mais importante para eles do que as leis do país em que vivem.

O autor desta análise, Judith Bergman, comentou:

Nenhum desses estudos, pesquisas e relatórios de inteligência parece causar a menor preocupação aos líderes europeus. Nas palavras utópicas do Comissário da União Europeia para Migração, não é suficiente que os migrantes, em sua maioria muçulmanos, que vieram para a Europa tenham encontrado segurança. Para ele, também precisamos ter certeza de que eles encontrem uma casa.

E deixou o questionamento para os líderes globalistas:

A questão que continua sem resposta: enquanto os líderes europeus procuram fazer o Islã grande de novo no continente, onde os europeus devem fazer suas casas?

 

Com informações de: [CP]

Deixe seu comentário

Veja também...