Mais de 1.500 mortos por falta de medicamentos na Venezuela

Idiomas:

Português   English   Español
Mais de 1.500 mortos por falta de medicamentos na Venezuela
TARCISO MORAIS
TARCISO MORAIS
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

Ao menos 1.557 pacientes morreram por falta de materiais médicos na Venezuela nos últimos três meses.

A informação está contida em pesquisa divulgada nesta quinta-feira (21), dia em que o ditador Nicolás Maudro mandou fechar a fronteira com o Brasil para evitar entrada de ajuda humanitária.

O levantamento considerou 40 centros de saúde da Venezuela no período de 19 de novembro de 2018 a 9 de fevereiro deste ano.

“Foram registradas 1.557 mortes atribuíveis à falta de insumos desde o último boletim”, disse Gustavo Villasmil, porta-voz da organização Médicos pela Saúde, segundo a Jovem Pan.

Do total de pacientes, 756 sofreram “trauma agudo” e 801 padeciam de doenças cardiovasculares, problemas que não puderam ser tratados por causa da escassez de recursos.

Enquanto isso, o líder chavista segue fazendo de tudo para impedir que toneladas de ajuda humanitária entrem em seu território venezuelano.

Newsletter RENOVA

Receba diariamente as últimas notícias do Brasil e do Mundo.

Curta e compartilhe esta notícia

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on google
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email

Deixe seu comentário

Veja outras notícias em destaque