Malásia quer pena de 10 anos de prisão para divulgação de notícias falsas

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O governo da Malásia apresentou nesta segunda-feira (26) uma proposta no parlamento para tornar ilegal a criação e divulgação de notícias falsas que prevê penas de até dez anos de prisão.

“A lei proposta tem o objetivo de preservar o público diante da proliferação de notícias falsas e, por sua vez, garantir o respeito ao direito à liberdade de expressão”, diz o projeto, segundo a emissora Channel News Asia.

Além da pena de prisão, a proposta de lei prevê multas de 500 mil ringgits (R$ 421,3 mil) para quem criar, publicar ou disseminar notícias falsas.

A minuta da lei também estipula que as penas serão impostas a quem for considerado culpado independentemente da sua nacionalidade, cidadania ou localização quando a notícia falsa afetar a Malásia ou a cidadãos malaios.

A medida foi proposta a poucos meses das próximas eleições gerais, nas quais o primeiro-ministro Najib Razak tentará se reeleger em meio a críticas por seu suposto envolvimento em um escândalo de corrupção.

Uma investigação do The Wall Street Journal, dos Estados Unidos, e o portal Sarawak Report revelou em 2015 o desvio de US$ 700 milhões do fundo de investimentos públicos 1Malaysia Development Berhard (1MDB) para as contas pessoais de Razak.

O primeiro-ministro e a 1MDB negaram ter cometido qualquer crime e uma investigação do Ministério Público malaio exonerou o líder em janeiro de 2016.

 

Com informações de: [EBC]

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.