PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Mandetta e Teich miram em Bolsonaro após 100 mil mortes por coronavírus

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Ex-ministros da Saúde criticaram a atuação do presidente Jair Bolsonaro.

PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

No dia em que o Brasil ultrapassou a marca de 100 mil mortes por coronavírus, os ex-ministros da Saúde, Henrique Mandetta e Nelson Teich, lamentaram os óbitos e miraram no presidente da República, Jair Bolsonaro.

Em entrevista à GloboNews, neste sábado (8), Mandetta declarou:

“Todos os cenários de como enfrentar a pandemia foram dados. Existia aquela história de quarentena vertical, que seria uma tragédia, a gente resistiu bastante. Existiam as pessoas que negavam, que diziam que o vírus não se daria bem em clima tropical. E [Jair Bolsonaro] sempre se assessorando com pessoas que falavam o que o presidente queria ouvir. Não tenho dúvida que esse somatório de fatores foi preponderante no marco a que chegamos. Além disso houve uma troca sucessiva no Ministério da Saúde. Essas medidas do presidente foram preponderantes no número que estamos vendo.”

Durante participação na mesma emissora, Teich acrescentou:

“Quando aceitei o convite ao ministério, tinha muito claro o que queria fazer. Eu aceitaria novamente. Agora, lá dentro você avalia a capacidade do que pode fazer. E, na prática, eu vi que não tinha autonomia. A cloroquina era o problema do momento, mas o que eu via era uma falta de como implementar uma autonomia.”

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Encontrou um erro?

Para comunicar um erro de português, de informação ou técnico, preencha o formulário abaixo.