PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Mandetta tece duras críticas ao uso da cloroquina

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

“Ninguém colocou no papel, ninguém demonstrou”, diz Mandetta sobre uso da cloroquina no combate ao coronavírus.

O ex-ministro da Saúde, Henrique Mandetta, afirmou que resultados iniciais de estudos sobre a aplicação da cloroquina no combate ao coronavírus indicam riscos no uso do medicamento.

Em entrevista publicada pelo jornal Folha de S.Paulo, nesta segunda-feira (18), Mandetta disse que a ampliação do uso de cloroquina para pacientes com quadro leve da Covid-19 pode provocar mortes em casa por arritmia:

“Começaram a testar pelos graves que estão nos hospitais. Do que sei dos estudos que me informaram e não concluíram, 33% dos pacientes em hospital, monitorados com eletrocardiograma contínuo, tiveram que suspender o uso da cloroquina porque deu arritmia que poderia levar a parada [cardíaca].”

E acrescentou:

“Alguns médicos falaram que ‘não, a cloroquina tem que usar no primeiro dia para evitar complicação’. E aí você começa a ter um problema. Se todos os velhinhos tiverem arritmia, vão lotar o CTI, porque tem muito mais casos de arritmia que complicação de Covid. E vou ter que arrumar CTI para isso, e pode ser que morra muita gente em casa com arritmia.”

Mandetta aproveitou o espaço na Folha para ironizar a utilização da cloroquina:

“Sabemos que, se não fizer absolutamente nada, se você tem 25 anos, é saudável e tiver a Covid, teria 99% de probabilidade de ter uma forma leve e sair bem. Se eu te tratar com a fita do Senhor do Bonfim e cloroquina, teria 99% de chance. Com camisa do Botafogo e cerveja preta, também. Se tiver com 68 anos, aí teria mais chance de complicar.”

O ex-ministro também voltou a criticar a pressão do presidente da República, Jair Bolsonaro, em torno da cloroquina:

“O que o presidente quer é que o ministério faça como se fosse uma prescrição, para que em todas as unidades de saúde, mesmo sem confirmação da Covid, seja entregue a cloroquina. Tudo baseado nessa coisa de que um médico falou: ‘acho que é bom’. Mas ninguém colocou no papel, ninguém demonstrou. A Nise Yamaguchi é uma que, quando você pergunta ‘onde está escrito isso?’, fala: ‘é a minha impressão’.”

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Encontrou um erro?

Para comunicar um erro de português, de informação ou técnico, preencha o formulário abaixo.