Manuela conversou por nove dias com hacker Vermelho

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Manuela, que foi candidata a vice-presidente no ano passado, afirma que não conhecia a identidade do hacker.

O contato de Walter Delgatti Neto, o hacker conhecido como Vermelho, com a ex-deputada Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) foi além de uma mera troca de contato telefônico.

De acordo com o jornal Estadão, o inquérito da Polícia Federal (PF) revela que os dois conversaram por nove dias via aplicativo de mensagens – do dia 12 e 20 de maio deste ano.

Ao inquérito da Operação Spoofing foram incluídos 38 prints de conversas entre Manuela e Delgatti. A organização das mensagens foi feita pela própria defesa da ex-deputada.

O diálogo entre os dois continuou mesmo depois que as mensagens roubadas dos celulares de autoridades brasileiras foram repassadas ao militante norte-americano Glenn Greenwald, do site panfletário Intercept.

Nos diálogos, aos quais o Estadão teve acesso, Delgatti demonstra desejo de expor o teor das conversas interceptadas para, nas palavras dele, “fazer justiça”.

“Quero Justiça, não quero dinheiro. Desculpa eu entrar no seu Telegram, foi um mal necessário”, afirma o hacker. Ao falar sobre as mensagens hackeadas, Delgatti acrescentou que possuía “oito Teras (bytes) de coisa errada”.

De acordo com as investigações da PF, a conta do Telegram da ex-deputada foi invadida depois que Walter conseguiu interceptar a conta do senador Cid Gomes (PDT-CE) e, por meio dela, acessar o contato de Manuela.

O hacker Vermelho afirmou à PF ter pedido à ex-parlamentar o contato de Glenn. Logo após receber o telefone, ele continuou a enviar mensagens.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.