Português   English   Español

Médica cubana admite que tinha função política no Brasil

A saída unilateral da ditadura cubana do programa Mais Médicos está revelando estratégias mantidas em segredo por muitos anos.

Ramona Rodríguez, a primeira profissional de saúde cubana a deixar o Mais Médicos, foi entrevistada pela revista “Crusoé“.

Ela disse que recebeu ordens da ditadura de Cuba para falar bem da ex-presidente Dilma Rousseff. A médica cubana declarou:

A gente tinha de falar bem da Dilma. Para os pacientes, dizíamos que foi o governo dela que nos mandou para o Brasil. Falávamos que Dilma era boa porque ajudava o povo, porque se preocupava com a saúde dos mais necessitados. Estávamos inculcando uma ideia na população.

E acrescentou:

No caso de haver uma outra eleição, tínhamos de fazer com que os brasileiros votassem pela mesma presidente. Nós tínhamos uma função política.

Ramona também é uma das médicas que está processando a organização Opas por ter lucrado com trabalho escravo no Brasil, conforme noticiou a Renova.

Deixe seu comentário...

Veja também...

Newsletter Renova!

Preencha o formulário para assinar nossa newsletter.

Nome Email
newsletter