Médico cubano concorda com Bolsonaro e denuncia exploração

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O médico cubano Adrian Estrada Barber passou três anos no Mais Médicos e disse que se sentia explorado pelo programa. Ele acha que muitos colegas irão abandoná-lo para ficar no Brasil até o final do ano.

Adrian Barber lamentou o fim da parceria com Cuba, mas atribuiu a decisão a uma “estratégia política” da ditadura cubana, e não às exigências do presidente eleito Jair Bolsonaro.

“Eu concordo totalmente [com as exigências]. A maioria se sentia explorada”, disse o profissional cubano, segundo informações da Folha.

O profissional deixou o Mais Médicos em 2016, quando passou no Revalida (prova para validar o diploma no país) e começou a clinicar por conta própria.

Por causa disso, conforme noticiou a Renova Mídia, o médico foi qualificado como “desertor” e está proibido de voltar a Cuba por oito anos.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.