Português   English   Español

Médicos de Cuba treinados para doutrinar pacientes e apoiar partido

O escândalo em torno dos médicos cubanos que trabalhavam como escravos virtuais no Brasil está crescendo: alguns deles entraram com uma ação em Miami contra a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

O processo foi apresentado na sexta-feira (30) e afirma que a organização da ONU não apenas supervisionou o programa Mais Médicos, mas embolsou milhões no esquema. Enquanto isso, os médicos recebiam apenas uma pequena parte dos seus salários.

A revista Crusoé indicou o nome de quatro médicos cubanos que processam a Organização Panamericana de Saúde (Opas) por ter lucrado com trabalho escravo no Brasil: Ramona Matos, Tatiana Carballo, Fidel Cruz Rodriguez e Russela Margarita Rivero.

No processo, obtido pela revista, eles contam como era o preparo que recebiam na ilha, antes de embarcar para trabalhar no Mais Médicos.

Segundo O Antagonista, os médicos cubanos eram treinados para doutrinar brasileiros — em prol de Cuba e também de partidos amigos da ditadura comunista.

Deixe seu comentário...

Veja também...

Newsletter Renova!

Preencha o formulário para assinar nossa newsletter.

Nome Email
newsletter