Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Merkel pode estar por trás do Pacto da ONU sobre migração

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Merkel pode estar por trás do Pacto da ONU sobre migração
COMPARTILHE

“O governo alemão enganou o público”, disse o líder direitista Alternativa para a Alemanha (AfD).

Documentos internos do Ministério das Relações Exteriores revelam que o governo de Angela Merkel foi o principal engenheiro do controverso Pacto Global sobre Migração da ONU.

O documento foi divulgado pelo parlamentar direitista Petr Bystron e pode ser encontrando [aqui] no site do governo alemão.

O texto mostra o Ministério das Relações Exteriores assumindo o crédito pelo pacto migratório da ONU, alegando que o governo da Alemanha trabalhou no acordo desde o início de 2016.

O co-líder do partido direitista Alternativa para a Alemanha (AfD), Alexander Gauland, disse ao jornal Breitbart:

Está ficando muito óbvio que o governo alemão estava tentando enganar o público, e ainda está. Eles estão tentando legalizar retroativamente a abertura ilegal das fronteiras feita por Merkel desde 2015. Se a AfD não tivesse levantado o tópico do Pacto Global, ninguém jamais saberia disso até que fosse tarde demais.

Ele acrescentou:

Agora estamos descobrindo que esse contrato está em andamento há muito tempo e, por iniciativa alemã, nada menos. No entanto, os responsáveis ​​nunca se preocuparam em mencioná-lo. Por uma boa razão. Faremos tudo o que pudermos para evitar que esse desastre se concretize.

Estes documentos internos explicam em grande parte a defesa apaixonada do pacto migratório da ONU por Merkel.

“Pessoas que dizem que podem resolver tudo sozinhas e não precisam pensar em mais ninguém – isso é nacionalismo em sua forma mais pura”, disse a chanceler alemã sobre os críticos do pacto da ONU.

O Pacto Global sobre Migração da ONU está encontrando muita resistência mundo afora. Após os Estados Unidos rejeitarem o documento, outros países seguiram o mesmo caminho. Como noticiou a Renova, o governo direitista da Itália foi o último deles.

- PUBLICIDADE -
TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram