Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Ministro do STF pede que PGR investigue Eduardo Bolsonaro

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Ministro do STF pede que PGR investigue Eduardo Bolsonaro
COMPARTILHE

Ministro Alexandre de Moraes pediu a PGR que investigue Eduardo Bolsonaro por fala sobre “fechar STF”.

A polêmica declaração do deputado federal eleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável Jair Bolsonaro, sobre fechar o Supremo Tribunal Federal (STF) continua a repercutir nesta segunda-feira (22), mesmo tendo sido feita quatro meses atrás.

O ministro Alexandre de Moraes disse que as declarações do deputado são “absolutamente irresponsáveis” e defendeu que a Procuradoria-Geral da República (PGR) abra uma investigação contra o parlamentar por crime tipificado na lei de segurança nacional.

Segundo informações da Gazeta do Povo, durante palestra no Ministério Público, em São Paulo, o ministro declarou:

Por que mesmo com 30 anos de Constituição, temos que conviver com declarações dúbias, feitas de maneira absolutamente irresponsável, por um membro do Parlamento brasileiro. É algo inacreditável que tenhamos que ouvir tanta asneira da boca de quem representa o povo. Nada justifica a defesa do fechamento de instituições republicanas.

O presidente do STF, Dias Toffoli, também divulgou uma nota em resposta às declarações de Eduardo Bolsonaro sobre o tribunal.

De acordo com informações de O Antagonista, ele declarou:

O Supremo Tribunal Federal é uma instituição centenária e essencial ao Estado Democrático de Direito. Não há democracia sem um Poder Judiciário independente e autônomo. O país conta com instituições sólidas e todas as autoridades devem respeitar a Constituição. Atacar o Poder Judiciário é atacar a democracia.

Ainda na manhã desta segunda, os magistrados do Supremo Celso de Mello e Marco Aurélio Mello também repudiaram as declarações de Eduardo, conforme noticiou a Renova Mídia.

No domingo (21), o deputado federal reeleito com quase dois milhões de votos em São Paulo, utilizou as redes sociais para pedir desculpas pela declaração e explicar o cenário onde a frase foi dita.

- PUBLICIDADE -
TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram