Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Mourão critica reação do embaixador da China no Brasil

Hamilton Mourão defende reação de Jair Bolsonaro
COMPARTILHE

"É a segunda vez que o embaixador chinês reage dessa forma", diz Mourão.

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, criticou, nesta sexta-feira (27), o comportamento do embaixador da China no Brasil.

Dias atrás, o diplomata Yang Wanming respondeu a um comentário do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) de forma ameaçadora através de uma publicação nas redes sociais.

De acordo com Mourão, a resposta de Pequim foi “diplomaticamente errada”:

“É a segunda vez que o embaixador chinês reage dessa forma. Dentro das convenções da diplomacia, o camarada se sentindo incomodado com qualquer coisa que tenha acontecido no país, ele escreve uma carta para o ministro das Relações Exteriores, vai ao Itamaraty e apresenta as suas ponderações, não via redes sociais, ou então vira um Carnaval.”

Dessa forma, Mourão se une ao Ministério da Relações Exteriores que, na quarta-feira, enviou uma comunicação oficial à embaixada da China classificando a resposta do embaixador como “ofensiva”, noticiou a RenovaMídia.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
8 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
Robson
Robson
1 mês atrás

Uma coisa impressionante é como um país que não tem relação histórica com a gente, se comporta de maneira tão virulenta. A China está arranjando atritos com o mundo todo. Primeiro com essa guerra comercial com os EUA, depois tem esse negócio de Hong Kong, depois com Taiwan, tem aquela invasão no Tibet, onde o Dalai-Lama teve que sair e pedir asilo para outro país, tem a minoria Uigur que é perseguida e agora tem esse negócio com a India. Fora as ameaças contra o Reino Unido e a Australia.
A China pode ter virado potência, mas se ela acha que pode com todo mundo junto, está enganado.

Última edição 1 mês atrás por Robson
Samuel
Samuel
Responder  Robson
1 mês atrás

Discordo do ponto de vista que a China não tem relação histórica com a gente. Essa relação tem mais de 500 anos. A vida não se resume ao PCCh

assisbr2000@gmail.com
1 mês atrás

Esse embaixador chines merece um tiro na cabeça. Boca imunda.

Sergio Marques
Sergio Marques
1 mês atrás

Depois da gafe de promover as negociações com a China após as criticas do embaixador , ele vem se retratar. Acho que é jogada ensaiada.

Maria
Maria
1 mês atrás

O mesmo pode se dizer de membros do governo que ao invés de resolver questões internamente, vai dar declarações controversas para a mídia. Bem, até entendo os chineses com sua sanha imperialista. O imperialismo existe desde que o mundo é mundo, desde o Império Roman sempre houve nações querendo dominar nações. O que é desprezível são brasileiros ajudando a China a dominar o Brasil, americanos ajudando a China a dominar a Amérioca europeus ajudando a China a dominar a Europa. Com certeza a China usa essa gente , mas sente verdadeiro desprezo por ela. Tenho certeza que Xi Jingping admira muito mais um Bolsonaro ou Trump do que um traiodorzinho qualquer que o esteja auxiliando. E esses certamente serão os primeiros a irem para o cadafalso caso a China consiga seu intento, pois quem confiaria em traidores da pátria? Quem trai seu próprio país, trai qualquer coisa.

Cecília Barbosa Maciel
Cecília Barbosa Maciel
1 mês atrás

O Brasil não precisa da china para comer ratos , então esta china não manda no Brasil nem em nenhum brasileiro . Se este embaixador não gosta de ouvi nossa opinião volte a China e viva com seus suditos aqui vivemos na democracia

eder jofre dias
eder jofre dias
1 mês atrás

Camaradas, em uma rápida analise no mercado de politica mundial, a china poderá abalar o mercado do Brasil ano que vem, refugando os insumos agrícolas no intuito de alterar a politica presidencial de 2022. Esta trovejada chinesa esconde entre “colunas”.

Aparecido
Aparecido
Responder  eder jofre dias
1 mês atrás

Não tão rápido camarada:
1º eles estão correndo no mercado mundial para abastecer as prateleiras;
2º Pelo mercado futuro, eles já adquiriram a produção de 2021.

PUBLICIDADE