MP vai apurar ‘canal de denúncias’ criado por deputada do PSL

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Promotoria de Justiça de Florianópolis instaurou nesta terça-feira (30), de ofício, procedimento para verificar ‘possível violação ao direito à educação dos estudantes’.

O Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC) vai apurar a conduta da deputada estadual eleita, Ana Caroline Campagnolo (PSL), que criou um canal informal de denúncias na internet com o intuito de gravar professores doutrinadores em sala de aula.

A 25ª Promotoria de Justiça de Florianópolis instaurou hoje, de ofício, procedimento para verificar “possível violação ao direito à educação dos estudantes catarinenses para adoção das medidas cabíveis”, de acordo com a assessoria de imprensa do MPSC.

Neste domingo (28), através de um post no Facebook, a deputada eleita agradeceu à imprensa por divulgar seu projeto.

Campagnolo pediu para os estudantes gravarem vídeos de professores atacando o presidente eleito Jair Bolsonaro. Segundo informações da Renova Mídia, ela declarou:

Muitos professores doutrinadores estarão inconformados e revoltados. Muitos não conseguirão disfarçar sua ira e farão da sala de aula uma audiência cativa para suas queixas político-partidárias em virtude da vitória do Presidente Bolsonaro.

Em nota, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) repudiou a rede de denúncias criada pela deputada eleita.

“A Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional de Santa Catarina, vem a público manifestar repúdio às manifestações que sugerem a denúncia da exposição de pensamentos político-sociais, e identificação de professores em Santa Catarina”, diz a nota.

 

Adaptado da fonte Estadão

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.