PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

MPF pede inquérito contra chefe da Secom por mensagem no Twitter

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

O pedido de inquérito tem como base publicações em redes sociais oficiais do governo — todas subordinadas a Wajngarten.

O chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência (Secom), Fabio Wajngarten, pode ser investigado por apologia a crimes contra a humanidade. 

O pedido para abertura de investigação foi feito pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão ligado à Procuradoria-Geral da República (PGR).

No documento, o órgão requer a apuração e a responsabilização pessoal de Wajngarten, inclusive por suposta prática de improbidade administrativa.

O motivo é a publicação feita nesta terça-feira (5) no perfil oficial da Secom no Twitter. Confira aqui.

A postagem classifica como “heróis do Brasil” os agentes públicos que atuaram na repressão à Guerrilha Comunista do Araguaia, nos anos de 1970.

A publicação ainda conta a imagem de encontro, ocorrido na véspera, entre o presidente da República, Jair Bolsonaro, e Sebastião Curió, oficial do Exército brasileiro que chefiou a campanha no Araguaia.

De acordo com o órgão do Ministério Público Federal (MPF), a postagem é uma “ofensa direta e objetiva ao princípio constitucional da moralidade administrativa, por representar uma apologia à prática, por autoridades brasileiras, de já reconhecidos crimes contra a humanidade e graves violações aos direitos humanos”, destaca o site Metrópoles.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Encontrou um erro?

Para comunicar um erro de português, de informação ou técnico, preencha o formulário abaixo.