Mulheres manifestantes acusadas de incitar prostituição no Irã

As mulheres iranianas que protestam contra o uso obrigatório do véu islâmico tirando o hijab em público podem enfrentar uma década de prisão por “incitar a prostituição”, alertou a polícia.

As autoridades do Irã estão tentando desesperadamente conter os protestos crescentes em todo o país contra o código de vestimenta aplicado às mulheres desde a revolução islâmica de 1979.

Mais de 35 mulheres foram presas na capital, Teerã, apenas nos últimos dois meses, e várias delas alegam terem sido submetidas à tortura. Ativistas afirmam que as manifestantes também foram injetadas com uma substância desconhecida pelas autoridades da prisão.

Caso sejam declaradas culpadas de incitar a prostituição, elas podem enfrentar até dez anos de prisão.

Magdalena Mughrabi, diretora adjunta da Anistia Internacional no Oriente Médio e na África do Norte, declarou:

Este é um movimento profundamente retrógrado das autoridades iranianas na perseguição em curso contra as mulheres que se atrevem a se manifestar contra o uso do obrigatório do véu.

A recente onda de protestos começou com Vida Movahed, uma mãe de 31 anos, cuja atitude e subsequente prisão em 27 de dezembro repercutiu por todo o mundo.

A senhora Movahed, que ficou conhecida como “A garota da rua Enghelab”, foi liberada da prisão depois de passar um mês com a filha de 20 meses de idade.

Com informações de: [DailyMail]
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *