Mulheres manifestantes acusadas de incitar prostituição no Irã

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

As mulheres iranianas que protestam contra o uso obrigatório do véu islâmico tirando o hijab em público podem enfrentar uma década de prisão por “incitar a prostituição”, alertou a polícia.

As autoridades do Irã estão tentando desesperadamente conter os protestos crescentes em todo o país contra o código de vestimenta aplicado às mulheres desde a revolução islâmica de 1979.

Mais de 35 mulheres foram presas na capital, Teerã, apenas nos últimos dois meses, e várias delas alegam terem sido submetidas à tortura. Ativistas afirmam que as manifestantes também foram injetadas com uma substância desconhecida pelas autoridades da prisão.

Caso sejam declaradas culpadas de incitar a prostituição, elas podem enfrentar até dez anos de prisão.

Magdalena Mughrabi, diretora adjunta da Anistia Internacional no Oriente Médio e na África do Norte, declarou:

Este é um movimento profundamente retrógrado das autoridades iranianas na perseguição em curso contra as mulheres que se atrevem a se manifestar contra o uso do obrigatório do véu.

A recente onda de protestos começou com Vida Movahed, uma mãe de 31 anos, cuja atitude e subsequente prisão em 27 de dezembro repercutiu por todo o mundo.

A senhora Movahed, que ficou conhecida como “A garota da rua Enghelab”, foi liberada da prisão depois de passar um mês com a filha de 20 meses de idade.

Com informações de: [DailyMail]

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.