‘Não há indícios de racismo’, diz delegada sobre crime no Carrefour

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O homem foi espancado até a morte por seguranças de um supermercado Carrefour.

Roberta Bertoldo, da 2ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Porto Alegre, é a responsável pela investigação do homicídio qualificado de João Alberto Silveira Freitas.

Em conversa com a emissora CNN Brasil, Bertoldo afirmou que “não há indícios de racismo até o momento”.

O homem negro, de 40 anos, foi espancado até a morte por seguranças de um supermercado Carrefour, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, na noite da última quinta-feira (19).

Em conversa com a rádio Jovem Pan, a delegada acrescentou que a morte foi causada por asfixia:

“O departamento médico legal comentou que os vestígios corporais da vítima, tanto interno quanto externo, dão conta de asfixia. Ele estava custodiado no chão e duas pessoas estavam sobre o corpo, impedindo que ele pudesse respirar. Essa certamente é a causa que levou ao seu óbito.”

De acordo com o pai, a morte do filho foi um episódio de racismo:

“Foi um episódio de racismo. Basta ver a força da agressão. Primeira coisa que perguntei foi: ele estava roubando? Se não estava, por que ser agredido? E por que ser agredido brutalmente pelos seguranças? Aliás, não posso chamá-los de seguranças, porque isso desmerece os profissionais que são seguranças de verdade.”

Um inquérito policial está apurando a motivação das agressões contra João Alberto.

O corpo de João Alberto seria velado a partir das 8h deste sábado (21) no cemitério São João, no bairro Iapi, onde o sepultamento deve ocorrer às 11h.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.