Português   English   Español

Narrativa feminista utilizada para barrar indicação de Trump ao Supremo

Mulher acusa juiz indicado por Trump ao Supremo dos Estados Unidos de assédio, supostamente cometido cerca de quatro décadas atrás, e não quer depor até o FBI investigar a denúncia.

A mulher quer a Polícia Federal dos Estados Unidos (FBI) investigando uma suposta agressão sexual cometida pelo juiz Brett Kavanaugh décadas atrás.

Este é o pré-requisito da denunciante para comparecer a uma audiência do Senado, disseram os advogados dela na terça-feira (18).

A denúncia é uma nítida estratégia utilizada pela esquerda norte-americana para atrapalhar um processo de confirmação à Suprema Corte que seguia tranquilamente para Kavanaugh.

A aprovação do juiz indicado pelo presidente Donald Trump para o cargo vitalício no Supremo consolidará um controle conservador sobre a maior instância jurídica dos Estados Unidos.

Segundo informações da Reuters:

Christine Blasey Ford, uma professora universitária da Califórnia, acusou Kavanaugh de atacá-la e tentar despi-la durante uma festa em Maryland em que estava bêbado em 1982, quando ambos cursavam o ensino médio. Kavanaugh classificou as alegações como “completamente falsas”.

O Comitê Judiciário do Senado, que está supervisionando a nomeação, havia convocado uma audiência para segunda-feira para examinar a questão, e a Casa Branca disse que Kavanaugh está pronto para depor.

Em uma carta ao presidente do comitê, o senador republicano Chuck Grassley, os advogados de Christine disseram que é preciso que uma investigação da Polícia Federal norte-americana ocorra primeiro.

Deixe seu comentário...

Veja também...

Newsletter Renova!

Preencha o formulário para assinar nossa newsletter.

Nome Email
newsletter