PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

NASA suaviza análise sobre queimadas na Amazônia

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Após classificar as queimadas na Floresta Amazônica como um possível “recorde”, a NASA voltou atrás e suavizou a análise: “O tempo dirá se este ano o número de incêndios é recorde ou se está dentro dos limites habituais”.

A NASA modificou o texto em seu site oficial que acompanhava a imagem de satélite capturada no dia 20 mostrando fumaça e focos de incêndios na Amazônia do Brasil.

Na última quarta-feira (21), em postagem no seu perfil oficial no Twitter, a agência espacial dos Estados Unidos disse que “embora seja estação de fogo no Brasil, o número de incêndios pode ser recorde”.

Na primeira versão do texto, a NASA afirma:

“Embora não seja raro o registro de incêndios no Brasil nesta época do ano devido às altas temperaturas e à baixa umidade, parece que este ano o número de incêndios pode ser recorde. De acordo com o INPE, o centro de pesquisa espacial do Brasil, quase 73 mil incêndios foram registrados até agora este ano. O INPE registrou um aumento de 83% em relação ao mesmo período de 2018”.

Após gera uma intensa controvérsia nas rede sociais, o texto foi editado no dia seguinte, quinta-feira (22).

Na nova versão, desaparece a menção ao INPE e a indicação de que o número de queimadas pode ser recorde.

A conclusão é muito mais suave com o governo do presidente da República, Jair Bolsonaro, que está sendo alvo de uma ofensiva internacional por conta dos incêndios.

“O tempo dirá se este ano o número de incêndios é recorde ou se está dentro dos limites habituais”, diz a NASA na nova versão.

O site BuzzFeed News questionou a NASA sobre por que foi retirada do texto de seu site a menção ao INPE. A agência respondeu:

“Não foi nenhum questionamento sobre os números do INPE. A pessoa responsável pelas legendas nesta imagem não tinha conhecimento de uma fonte de dados ligada à NASA sobre o mesmo assunto, e que deveria ter sido usada em vez de uma fonte externa.”

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Encontrou um erro?

Para comunicar um erro de português, de informação ou técnico, preencha o formulário abaixo.