Negar o holocausto está permitido no Facebook

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg disse que não removeria usuários da rede social que neguem o Holocausto.

A declaração, dada em entrevista à jornalista Kara Swisher, do site Recode, e divulgada nesta quarta-feira (18), repercutiu em todo o mundo.

Mark Zuckerberg afirmou:

Eu sou judeu e há muitas pessoas que negam que o Holocausto aconteceu. Acho extremamente ofensivo, mas não acredito que a nossa plataforma deveria derrubar isso porque tem algumas pessoas que entendem errado. Eu não acho que elas entendem intencionalmente errado.

O líder da empresa usa como defesa, principalmente, que as pessoas tenham liberdade de voz, opinião, e que possam errar, já que “todo mundo erra”.

Um discurso muito bonito no papel, mas que não é utilizado em todos os casos.

Afinal, o número de vozes silenciadas no Facebook por não seguir a cartilha politicamente correta aumenta dia após dia.

Com informações da ANSA
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia