Nicolás Maduro acusa EUA de promover golpe e prende militares

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou nesta quinta-feira (24) os Estados Unidos de orquestrarem uma conspiração para derrubá-lo do poder e determinou a prisão de vários militares.

Após prestar juramento diante da Assembleia Constituinte como vencedor das fraudulentas eleições no domingo (20) passado, Nicolás Maduro presidiu uma cerimônia na qual a Força Armada lhe prestou “lealdade absoluta”.

Diante da cúpula militar, o ditador da Venezuela declarou:

Estão detidos todos os responsáveis de terem se vendido e de terem se entregue a traidores que lhes pagaram em dólares, da Colômbia, para que traíssem a honra, a moral e a lealdade da nossa amada Força Armada.

E acrescentou:

Uma conspiração financiada e dirigida da Colômbia e estimulada e promovida pelo governo dos Estados Unidos para dividir as Forças Armadas, e com uma grande ação publicitária, militar, tentar no momento que se suspendessem as eleições de 20 de maio.

Maduro não informou a patente dos acusados, nem quando foram presos, limitando-se a dizer que a operação aconteceu “nas últimas semanas”.

O ditador venezuelano concluiu:

Estamos atrás do principal financiador que se encontra foragido em território venezuelano e cedo ou tarde vamos prendê-lo. Exijo máxima lealdade da Força Armada Nacional Bolivariana, máxima lealdade à Constituição (…), máxima lealdade ao comandante-chefe das Forças Armadas.

 

Com informações do: [UOL]
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia