Nobel de Química minimiza riscos do coronavírus à maioria da população

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Cientista foi certeiro ao projetar que a China teria uma rápida diminuição no número de infectados ainda em fevereiro.

O vencedor do prêmio Nobel de química em 2013, Michael Levitt, está na contramão das previsões dos muitos especialistas sobre a nova variante de coronavírus.

O cientista do Reino Unido afirma que a pandemia não apresenta risco para a maioria das pessoas e que elas são naturalmente imunes.

Levitt conta que começou a analisar os números envolvendo o coronavírus quando o surto teve início em Hubei, província da China no epicentro da pandemia. 

De acordo com os estudos do cientista, as pessoas, conforme são infectadas e sobrevivem à Covid-19, começam a ficar imunes ao vírus. Imaginando que uma grande parte delas já se recuperou, a curva do contágio entra em queda, destaca a revista IstoÉ.

A conclusão do cientista é de que as pessoas são naturalmente imunes ao coronavírus e casos como os da Itália se alastram em função do estilo de vida da população e do alto número de idosos, os mais afetados pelo novo coronavírus.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.