Português   English   Español
Português   English   Español

O “bunker da propina” da Odebrecht

O “bunker da propina” da Odebrecht
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

Sala comercial em prédio da Avenida Faria Lima, em São Paulo, armazenava notas de dinheiro da empreiteira Odebrecht para pagar propina a políticos e seus operadores.

Uma sala comercial no terceiro andar de um prédio na Avenida Faria Lima, que é o principal corredor financeiro de São Paulo, foi utilizada pela Odebrecht como “bunker” para armazenar notas de dinheiro.

A verba era obtida por doleiros com lojistas chineses da região da 25 de Março para a Odebrecht pagar propina e caixa 2 a políticos e agentes públicos na capital paulista.

Planilha da transportadora de valores Transnacional, usada pela empreiteira no esquema, mostra que R$ 15,5 milhões foram coletados no endereço e levados até a sede da empresa, na Vila Jaguara, em 37 viagens feitas entre setembro de 2014 e maio de 2015, informa o Metrópoles.

Nos dias seguintes às retiradas de dinheiro, os valores eram entregues por policiais militares à paisana aos intermediários dos políticos em residências, escritórios e quartos de hotéis.

Neste domingo (21), como noticiou a RENOVA, ficamos sabendo que a mesma planilha indica que ao menos 187 entregas de dinheiro programadas pela Odebrecht foram efetivadas pela Transnacional.

Compartilhe...

Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram
Share on reddit
Share on linkedin
Share on email

Deixe seu comentário...

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Veja também...

Curta a RENOVA!