O caso do ator Jussie Smollett não deveria ser surpresa

A histeria é uma marca comum a diversos movimentos monopolizadores de virtude e representação. No sinal da menor divergência, o infeliz que ousa contestar propósitos, métodos e intenções dos mesmos é trucidado e logo sua reputação é assassinada numa velocidade incrível. Uma característica que ultrapassa as fronteiras do lar, da cidade, das pátrias e outras mais.

Jussie Smollett, ator americano, simulou um ataque de cunho racista e homofóbico cometido por dois apoiadores do presidente americano Donald Trump. Os dois estavam com bonés vermelhos tendo o slogan ‘’Make America Great Again’’, bordão da campanha de Trump na eleição de 2016. Estaríamos diante de um caso real, atual e simbólico, não é mesmo? Não é isso que a nossa grande mídia dá a entender com sua narrativa importada do Partido Democrata?

Grata surpresa. O caso não passou de uma farsa, logo descoberta. Eddie Johnson, superintendente da polícia de Chicago, fez um discurso enérgico com claro tom de indignação: ‘’Por que alguém – especialmente um homem afro-americano – usa o simbolismo de um laço para fazer falsas acusações?” Johnson perguntou. “Como alguém poderia olhar para o que é associado a esse símbolo e ter uma oportunidade de manipular esse símbolo para o seu próprio perfil público?”

Não é a primeira vez que casos do tipo acontecem. O caso de estudantes que supostamente zombaram de um índio – também usando um boné com o slogan #MAGA – provou que a turma da imprensa joga no lixo a ética jornalística. O The Washington Post, que fez a vergonhosa cobertura tendenciosa, está sendo processado pela família de um dos estudantes. Se for condenado, o jornal terá que pagar em indenização à família US$ 250 milhões.

O que me chama atenção no ocorrido é justamente a surpresa com a descoberta do engodo que o caso se revelou. Boquiabertos e espantados, parece que não estamos acostumados com isso. ‘’Fanfics’’ com motivações políticas são comuns em qualquer lugar do planeta.

Ou vocês esqueceram daquele caso da gaúcha que fez uma suástica em seu próprio corpo e atribuiu o acontecimento a eleitores de Jair Bolsonaro? Ou vocês esqueceram do caso da igreja que amanheceu pichada com o mesmo símbolo nazista e, antes da devida apuração dos fatos, o ato foi atribuído a eleitores do mesmo Bolsonaro? Tempos depois, os indivíduos foram encontrados e descobriu-se que se tratava de militantes esquerdistas contrários ao hoje presidente do Brasil.

Ah, nossa curta memória. Quantos casos como esses dois são lembrados por nós? A grande mídia propagou aos quatro cantos os erros dela mesmo e dos militantes que apontaram o dedo indicador para seus adversários?

Nada disso aconteceu e, pelo andar da carruagem, nunca acontecerá. Pessoas decentes, comuns e que só querem uma vida digna para si e suas respectivas famílias não podem emitir suas opiniões com receio do politicamente correto. E se tem a coragem e a audácia de o fazer, a condenação é rápida e impiedosa.

Os conservadores americanos são trucidados pelo mainstream e pelos militantes desmiolados do Partido Democrata. Colam em suas testas os adesivos mais indesejáveis que se possa imaginar. E têm que aceitar toda a maré de chorume e ódio contra suas convicções, visões de mundo e modo de vida quietos, calados e sem mover uma palha para ter ao menos a chance de defesa.

O mundo moderno é um compilado de Smolletts querendo colocar nos outros a culpa por fracassos pessoais. Ele é um ator rico e bem-sucedido. O que diabos então ele queria forjando seu próprio ataque? Muito simples: manter a estúpida narrativa de que a vitória de Donald Trump aconteceu porque o povo americano – ou metade dele – é racista, fascista, homofóbico e coisas do tipo. Por trás de um ato teoricamente irracional há a defesa fanática de uma narrativa.

“E a MAGA e as dezenas de milhões de pessoas que você insultou com seus comentários racistas e perigosos?”, perguntou o presidente Donald Trump. Smollett é mais um dos que tentam a todo custo forjar a realidade a seu modo e agenda. Até quando vamos dar crédito a esse tipo de coisa? Até quando vamos nos surpreender quando um engodo do tipo é esclarecido com a luz da verdade? O caso Smollet não deveria ser surpresa alguma.

Os pontos de vista expressos neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente a posição da RENOVA Mídia.

Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe seu comentário...