O imenso Big Brother da China para poder controlar sua população

Regime comunista da China usa uma intensa campanha de vigilância como forma de combater o crime e evitar que a população saia da linha.

Com milhões de câmeras e bilhões de linhas de código, a China está construindo um futuro autoritário de alta tecnologia.

Pequim vem adotando tecnologias como reconhecimento facial e inteligência artificial para identificar e rastrear 1,4 bilhão de pessoas.

O regime comunista espera montar um sistema de vigilância nacional vasto e sem precedentes, com a ajuda crucial de sua próspera indústria de tecnologia.

O país está conseguindo reverter a visão mais comum da tecnologia como um grande incentivador da democracia, que traz mais liberdade e conecta as pessoas ao mundo. Na China, ela significa controle.

 

Leia a matéria completa no site da Gazeta do Povo
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia