PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Obama pode ter utilizado o Reino Unido para espionar Donald Trump

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Para evitar deixar suas digitais, relatos indicam que o ex-presidente Barack Obama utilizou a inteligência britânica para espionar o candidato Trump durante e após a vitoriosa campanha presidencial de 2016.

Durante entrevista a Fox News, o ex-juiz e analista político, Andrew Napolitano, falou sobre o assunto:

Três fontes informaram a Fox News que o presidente Obama saiu da cadeia de comando. Ele não usou a NSA, ele não usou a CIA, ele não usou o FBI, e ele não usou o Departamento de Justiça. Ele usou o GCHQ. O que diabos é o GCHQ? São as iniciais da agência de espionagem britânica. Eles têm acesso 24/7 ao banco de dados NSA. Então, simplesmente fazendo com que algumas pessoas digam a eles: “O presidente Obama precisa de transcrições das conversas envolvendo  o candidato Trump, conversas envolvendo o presidente eleito Trump, Obama seria capaz de obtê-las, e não deixaria impressões digitais americanas sobre isso.

Uma explicação mais compacta seria assim:

A Agência de Segurança Nacional (NSA) tem acesso a todos os telefonemas e eles coletam todos os dados. Estes arquivos de áudio podem ser transcritos em textos, caso seja necessário. Através da sólida aliança com os EUA, os britânicos podem acessar essas transcrições a qualquer momento.

No dia 19 de janeiro deste ano, o jornal New York Times publicou matéria falando abertamente sobre comunicações grampeadas da campanha de Donald Trump durante o período em que Obama estava no poder.

 

Com informações de: (1)
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.