Português   English   Español

Oklahoma considera castração química para estupradores

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

Um congressista republicano está empolgado para adicionar Oklahoma à lista de estados em que a chamada castração química é uma opção para certos infratores sexuais, embora seja uma opção que raramente seja usada.


O deputado estadual Rick West, em seu primeiro mandato em Heavener, disse que apresentou o projeto de lei a pedido de um constituinte e que ele totalmente pretende lutar pela sua aprovação, embora seja provável que enfrente uma forte oposição, mesmo em um estado conservador com uma reputação de duro contra a criminalidade.

Se aprovado, Oklahoma se unirá a pelo menos sete outros estados que possuem leis que permitem aos tribunais solicitarem tratamentos químicos que reduzam a testosterona masculina para certos infratores sexuais, embora os especialistas digam que a punição raramente é realizada.

Rick West, que também introduziu uma medida para permitir que o tabaco volte para dentro das prisões estaduais, disse ter confiança que seus eleitores apoiam seus esforços para prevenir crimes sexuais, especialmente contra crianças.

De acordo com o projeto de lei, qualquer pessoa condenada por uma crime sexualmente violento terá como condição necessária para liberação tomar drogas destinadas a reduzir a testosterona e a libido sexual do criminoso do sexo masculino.

A Califórnia se tornou o primeiro Estado a aprovar essa lei em 1996 e, desde então, pelo menos seis outros estados seguiram o mesmo caminho: Geórgia, Flórida, Louisiana, Montana, Oregon e Wisconsin. O Texas permite que criminosos sexuais em série escolham voluntariamente ser castrados cirurgicamente.

 

Com informações de: [Yahoo]

Curta e compartilhe...

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on reddit
Share on vk

Deixe seu comentário...

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Veja também...