PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

OPINIÃO: A intolerância do movimento LGBT

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

O movimento LGBT segue a mesma linha destrutiva do movimento feminista do século XXI: a politização de tudo e de todos.

Eu não sou velho o suficiente para lembrar a época dos gays raiz, quando a maior preocupação do movimento que os representava, o GLS, era só lutar pelo direito de dançar Madonna despreocupado e fazer o resto da população entender que a AIDS não estava necessariamente ligada à homossexualidade e ser respeitado. Naquela época o motto do movimento era uma frase que, hoje em dia, é repetida por aborrescentes metidos a intelectuais com entonação e empolgação digna de frase dita por algum importante filósofo ou estudioso, mas na verdade surgiu na letra de uma música dos Mamonas Assassinas: “Abra sua mente, gay também é gente!”.

O tal do movimento GLS não era chato, muito pelo contrário, era divertido e não fazia com que ninguém olhasse torto ou pensasse duas vezes antes de fazer uma piada que hoje seria considerada homofóbica. Não sei em que momento o movimento se perdeu, mas desde pelo menos a virada do século, e nas palavras do saudoso Clodovil Hernandes, deixou de lutar por liberdade e passou a buscar a libertinagem.

O ativismo LGBT simplesmente não aceita mais o contraditório. Sempre quando questionados, tratam a discordância como ataque e partem para a agressão, não necessariamente física, o que pode ser visto no vídeo da fala de Clodovil, quando o deputado é vaiado por falar que não entende como um homem pode se travestir de mulher, “representação máxima de Deus”, e se prostituir.

A tentativa de abafar a voz daqueles que não concordam com o movimento, ou que deixam de fazer as vontades dele, ganhou cada vez mais força com as redes sociais e se tornaram ainda mais freqüentes de 2014 pra cá. Não entendam mal: há uma diferença entre boicote pois alguém atacou uma causa defendido pelo movimento, deixar de ouvir por não gostar do que a pessoa fala e silenciar os que simplesmente não concordam com você.

O boicote não passa de uma resposta a quem claramente mostrou não respeitar o que é defendido por movimento X. Não sou ninguém para definir quando um boicote deve ou não ser feito, mas quando a motivação é clara e a atitude não é tomada com a tentativa, ainda que indireta, de tornar santo um terceiro ele é perfeitamente cabível. Um exemplo recente de um boicote inaceitável foi a ação contra o youtuber Julio Cocielo. Massacrado e boicotado por uma piada, o youtuber virou alvo de todos os movimentos possíveis, que simplesmente ignoraram que pessoas de dentro do movimento já haviam falado coisas semelhantes ou piores, como Bruno Gagliasso.

O mais eficaz e mais justo dos três casos que citei é, provavelmente, o segundo, quando se evita a fala daquele que fala algo diferente do que você pensa. Ninguém é atacado, massacrado ou julgado pelo Tribunal da Internet, apenas ignorado. Trata-se da utilização correta dos botões de bloquear, deixar de seguir silenciar. Se você acha que alguém fala besteira é simples: ignore. Quando quem foi silenciado perceber a queda no alcance, talvez pense duas vezes antes de continuar falando as mesmas coisas. Esta parte soa como um manual de bom uso da internet, mas é verdadeira sem ser fórmula mágica, apenas apresenta funções que as pessoas têm e não utilizam.

Por fim, vem a situação preferida dos movimentos “anti-fascistas” da atualidade: a tentativa de silenciar a voz de um terceiro. A linha entre o boicote e este, a sabotagem, é tênue e se limita a um ponto: motivação. No boicote, a motivação é clara. Todo mundo vê um ataque sendo feito à causa defendida. Na sabotagem, por outro lado, você só tenta calar alguém porque ele pensa diferente ou se recusa a agir da mesma maneira que você age. Se resume à intolerância dos tolerantes, ao “se você não pensa igual ou não faz o que queremos, não é bem-vindo(a)”.

O caso mais recente de sabotagem feita pelos que se dizem tolerantes foi contra a cantora Anitta, que foi atacada por boa parte da comunidade LGBT por não se posicionar contra Jair Bolsonaro. O resumo do caso é literalmente este. O movimento LGBT odeia o candidato e quer que todos aqueles adorados pelos ativistas sigam o mesmo caminho. Caso contrário, a carreira será arruinada.

A situação envolvendo Anitta é apenas mais uma de tantas outras que mostram a intolerância dos tolerantes. No começo do mês, o cantor Pablo Vittar rompeu contrato com uma marca pois o dono era pró-Bolsonaro. Outro caso envolvendo intolerância do movimento LGBT foi o de Andressa Urach. Conhecida por conviver no mundo das drogas e viver de fazer confusões no passado, Andressa, que hoje é evangélica, declarou apoio ao candidato do PSL e revoltou aqueles que queriam vê-la com a vida destruida.

No ativismo de esquerda a regra é clara: ou faz o que é ditado por eles, ou não merece fazer parte da seita. Há artistas que se rendem e fazem o que são mandados, outros são rebeldes e, ao verem o modus operandi ditatorial do grupo, mudam rapidamente de lado.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.