Português   English   Español

OPINIÃO: Como Bolsonaro tornou-se Presidente do Brasil?

Como Bolsonaro tornou-se Presidente do Brasil?
Artigo de opinião escrito pelo voluntário Fábio Martins

Jair Messias Bolsonaro foi consagrado presidente do Brasil em um pleito ímpar.

A eleição de 2018, e a vitória de Bolsonaro servirão de base para estudos de cientistas políticos dentro e fora do país. Afinal, o que aconteceu? Como partidos milionários e figurões da política nacional foram humilhados nas urnas?

A vitória de Bolsonaro foi consequência lógica de uma série de fatores que durante muitos anos foram minando a paciência do povo brasileiro. No campo político, por exemplo, a desastrosa política do PT, com milhares de casos de corrupção, um presidente corrupto, uma presidente fraca e desequilibrada, uma política externa vexatória ao país com aproximação e acenos a ditaduras no Oriente Médio, África e América Latina, não contribuiu em nada e isolou o Brasil de grandes países democráticos no globo.

Empréstimos bilionários de nosso dinheiro via BNDES a países que claramente dariam calote na pátria e o perdão de dívidas de ditaduras africanas são apenas alguns exemplos. O envolvimento de diversos partidos e nomes tradicionais da política nacional completaram o cenário de desastre e descontentamento geral. Parecia ao cidadão comum que não havia sequer um parlamentar digno de confiança em todo território nacional. O clima de desconfiança e descrença com a classe política explica a queda de nomes tradicionais.

É fundamental tocar em um aspecto ainda pouco explorado que possui clara e determinante influência na vitória de Bolsonaro. Na década de 90, Olavo de Carvalho lançava O Imbecil Coletivo, livro de grande repercussão na época. Vídeos, cursos online, artigos em jornais e o lançamento de muitas outras publicações, fez com que pouco a pouco a narrativa da esquerda (única vigente durante anos no Brasil) fosse confrontada. Abriu-se uma via no cenário cultural do país e novos nomes hoje conhecidos do público ocuparam espaço no rádio, televisão, jornais, canais no YouTube e etc. Olavo de Carvalho tem papel fundamental no levante direitista e no confronto de ideias em nossa nação.

A crise político/econômica e o levante da direita no meio cultural fez abrir os olhos de milhões de brasileiros que, mesmo sem conhecer Olavo de Carvalho, foram despertados à realidade por influência destes que hoje estão na mídia e na internet. Definitivamente o Brasil está em uma nova era. O momento atual mostra que a hegemonia de pensamento acabou e, pela primeira vez em muitos anos, a esquerda tem um adversário preparado e motivado a fazer do Brasil um país decente e respeitável dentro e fora de suas fronteiras.

Então Jair Bolsonaro não tem mérito em sua vitória? Claro que tem. Bolsonaro teve uma visível evolução de pensamento e comportamento desde que ganhou a mídia nacional no caso Maria do Rosário. Em um cenário onde não parecia haver honestidade, ele surgiu como uma rara visão de esperança. Honesto e de retidão inquestionável, Bolsonaro começava a ganhar o respeito e a admiração de expressiva parcela da população.

Desprezo ao politicamente correto e opiniões firmes e claras (sem ficar sob o muro como de costume entre políticos) fez de Bolsonaro amado e odiado. Amado pelo povo desperto do encanto esquerdista, e odiado pelos ainda iludidos e por aqueles que ganham direta ou indiretamente com o estado de coisas atual. A classe artística e a mídia, por exemplo, durante anos fizeram tudo o que estava ao seu alcance para destruir a reputação de Jair — sem sucesso. Rótulos diversos: racista, fascista, nazista, misógino e até estuprador começaram a fazer parte da vida do futuro presidente. Contudo, a violência explícita e visivelmente forçada com que a mídia atacava Bolsonaro e, anos mais tarde, com a tentativa de assassinato do mesmo, despertou empatia no público. Impossível não sentir compaixão por uma pessoa simples de espírito e com um sonho de tentar mudar ainda que minimamente nosso país. É na verdade fácil imaginar o que passa na cabeça de Bolsonaro, uma vez que não deve ser nada muito distante do que passa pela nossa. E essa aproximação com o pensamento dele o tornou um fenômeno eleitoral poucas vezes visto no país.

Enquanto grandes partidos e caciques políticos insistiam cegamente em fazer a velha política de sempre, Bolsonaro manteve seu discurso e soube, como nenhum outro, usar as redes sociais para propagação de suas ideias. Tempo de TV e rádio não surtem mais tanto efeito. O eleitor quer ouvir verdades no discurso. O discurso que vem do coração, e não um escrito por assessores. O eleitor quer conhecer o candidato real, e não um ator, uma encenação de si mesmo. Bolsonaro foi ajudado pelas circunstâncias internas e externas e soube surfar na onda da mudança.

Uma nova política acabou de florescer e quem ainda não entendeu o explícito cenário que o eleitor desenhou será um eterno perdedor político. Pela primeira vez os candidatos precisam dançar conforme a música do eleitorado e não o oposto como vinha acontecendo por todo esse tempo. Mais importante que promessas e jingles cativantes, são a verdade e a simplicidade. Por tudo isso e muito mais, eu termino esse artigo dando os parabéns ao nosso presidente Bolsonaro, e desejando-lhe saúde e sabedoria na condução da missão mais difícil de sua vida que será presidir essa enorme nação chamada Brasil.

 

Artigo de opinião escrito pelo voluntário Fábio Martins

Deixe seu comentário

Veja também...