Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Os perigos do uso contínuo de remédios para dormir

Os perigos do uso contínuo de remédios para dormir
COMPARTILHE

Em muitos casos, uma simples mudança de hábitos já resolve. Esqueçam os remédios!

Os seres humanos lutam contra a insônia há pelo menos dois milênios.  

Todo mundo já teve complicações para dormir. O problema é quando a insônia se transforma numa questão crônica — e isto tem ocorrido com cada vez mais pessoas. 

Até os dias atuais, a indústria farmacêutica não conseguiu criar um remédio para dormir que seja realmente seguro e eficaz — mas ela continua tentando. 

A sua criação mais recente é o lemborexant, aprovado pela Anvisa dos Estados Unidos em dezembro de 2019.  

O remédio é considerado viciante, por isso a sua comercialização é fiscalizada pela mesma agência que combate o narcotráfico em território norte-americano. 

Remédios para dormir são de alto risco 

Entre 2011 e 2018, as vendas de zolpidem, um dos remédios mais usados para tratar a insônia, cresceram incríveis 560% no Brasil

Em 2019, nosso país consumiu 56,6 milhões de caixas de calmantes e soníferos, segundo dados da Anvisa.  

O stress causado pela pandemia de coronavírus parece ter agravado ainda mais o fenômeno. 

Entre março e abril de 2020, as vendas de clonazepam — o famoso Rivotril — cresceram 22% sobre o mesmo período do ano anterior. 

Os dados acima foram divulgados pela SuperInteressante. A revista acrescentou que estes “medicamentos têm riscos consideráveis”: 

“O uso contínuo de benzodiazepínicos, como o clonazepam, pode causar dependência – e obrigar a pessoa a utilizar doses cada vez mais altas para obter o mesmo efeito. Se tomados em grande quantidade, e misturados com álcool, eles podem matar por parada respiratória (mesmo risco dos barbitúricos, um tipo mais antigo de sonífero).” 

Ainda de acordo com a revista: 

“Já as chamadas ‘drogas z’, como o zolpidem, não apresentam esse risco, mas também viciam. E têm efeitos colaterais insólitos: podem provocar alucinações e desencadear parassonias, um tipo extremo de sonambulismo.” 

Portanto, se você faz parte deste grupo de pessoas que enfrenta dificuldades para dormir, seria interessante deixar os remédios de lado e tentar novos métodos. 

Em muitos casos, uma simples mudança de hábitos já resolve. Procure melhorar a sua alimentação, fazer exercícios, evitar o uso do celular antes de dormir… 

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

PUBLICIDADE