Padre se desculpa após pedir liberdade de Lula durante missa

O reitor do Santuário Nacional Aparecida, padre João Batista de Almeida, pediu desculpas após celebrar missa pela libertação de Lula no domingo (21) e ser chamado de comunista nas redes sociais.

Durante a celebração da Eucaristia, o clérigo declarou:

Nossa Senhora Aparecida abençoe [o petista] e lhe dê muitas forças para que se faça a verdadeira justiça, para que o quanto antes ele possa estar entre nós, construindo com o nosso povo um projeto de país que semeie a justiça e a fraternidade.

Na plateia estavam militantes petistas vestidos com camisas vermelhas da CUT e enrolados em bandeiras do PT.

De acordo com informações da Folha:

O arrependimento foi expresso três dias depois, na quarta-feira (23), numa “nota de reparação” assinada pelo padre João Batista e reforçada por dom Orlando Brandes, arcebispo da Arquidiocese de Aparecida, e o padre José Inácio de Medeiros, superior provincial dos Missionários Redentoristas da Província de São Paulo.

“Manifesto meu pesar e peço perdão a todos que se sentiram ofendidos pela maneira como conduzi a celebração da missa das 14h”, diz o reitor do Santuário.

Igreja não é lugar de tomar “posição político-partidária, que é contrária ao Evangelho”, afirma o texto, que começa pedindo “perdão pela dor que geramos à Mãe Igreja, aos fiéis e às pessoas de boa vontade”.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia