Página ‘antifascista’ celebra vandalismo contra monumento da Revolução de 32

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Revolução dos paulistas contra o governo empossado pela Revolução de 30, lembrada no feriado de 9 de julho, foi comparada ao impeachment da petista Dilma Rousseff.

Com quase 110 mil seguidores, a página “Periferia Antifascista” no Facebook atacou o feriado mais importante de São Paulo. Nesta segunda-feira (9), os paulistas celebraram o aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932.

O movimento, que aconteceu depois de quatro jovens morrerem durante protesto contra o Governo Provisório de Getúlio Vargas, aconteceu como uma reação paulista ao processo decorrente da Revolução de 30, em que o gaúcho permanecia no poder sem a convocação de uma Assembleia Constituinte. A disputa pela memória do acontecimento é antiga, entre os que o apresentam como um capítulo de luta pela liberdade no Brasil e os que o veem como mera reação da oligarquia cafeeira.

A página “Periferia Antifascista” divulgou, entre outras publicações atacando o movimento, uma fotografia de um monumento paulista em homenagem à Revolução com uma grande pichação sobre a gravura. A publicação vem com a simples introdução “Sobre o 9 de julho”.

Em outro post, a página afirma que os paulistas “foram insuflados pela sua elite cafeeira” e que a população que comemora o movimento está sendo enganada. Complementaram: “igualmente o enganaram (o povo) agora, no golpe de 2016, quando a mídia massiva, criminosa e irresponsável lhes vendeu uma verdade mentirosa dos fatos”.

 

Matéria publicada no Boletim da Liberdade

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.