Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Papa admite que líder islâmico serviu de inspiração em nova obra

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Papa admite que líder islâmico serviu de inspiração em nova obra
COMPARTILHE

Al Tayyeb é o grande imã da Mesquita de Al-Azhar e reitor da universidade de mesmo nome.

O Papa Francisco confirmou que se inspirou em um dos principais clérigos muçulmanos do mundo, o imã Ahmad Al-Tayyeb, ao escrever sua nova encíclica.

Al Tayyeb é o grande imã da Mesquita de Al-Azhar e reitor da universidade de mesmo nome, localizadas no Cairo, capital do Egito.

O chefe do Vaticano já se encontrou em diversas ocasiões com o clérigo, que é tido como autoridade máxima no islamismo sunita.

Francisco, inclusive, já assinou com ele, em 2019, um documento sobre a fraternidade humana, um dos temas de sua nova encíclica, a “Fratelli Tutti” (“Todos Irmãos”, em italiano).

Logo no início da encíclica, segundo a agência ANSA, o Sumo Pontífice escreveu:

“Se na redação da Laudato si’ [sua segunda encíclica] tive uma fonte de inspiração no meu irmão Bartolomeu, o patriarca ortodoxo que propunha com grande vigor o cuidado da criação, agora senti-me especialmente estimulado pelo grande imã Ahmad Al-Tayyeb, com quem me encontrei, em Abu Dhabi, para lembrar que Deus ‘criou todos os seres humanos iguais nos direitos, nos deveres e na dignidade, e os chamou a conviver entre si como irmãos’.”

O texto ainda cita Al-Tayyeb em quatro passagens que falam sobre o “enfraquecimento dos valores espirituais”, o relacionamento entre Ocidente e Oriente, o comprometimento com a tolerância e a incompatibilidade entre religiões e guerra.

Ainda de acordo com a fonte, o Papa Francisco acrescentou:

“Naquele encontro fraterno [em Abu Dhabi], que recordo jubilosamente, com o grande imã Ahmad Al-Tayyeb declaramos – firmemente – que as religiões nunca incitam à guerra e não solicitam sentimentos de ódio, hostilidade, extremismo nem convidam à violência ou ao derramamento de sangue. Estas calamidades são fruto de desvio dos ensinamentos religiosos, do uso político das religiões e também das interpretações de grupos de homens de religião que abusaram da influência do sentimento religioso sobre os corações dos homens.”

- PUBLICIDADE -
TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram