Líder extremista do MLSM continua desaparecido

O Movimento de Luta Social por Moradia (MLSM) é o responsável pelo loteamento do edifício de 24 andares que desabou há dois dias no Largo do Paiçandu, no centro de São Paulo.

A organização ascendeu de forma meteórica em 2014 com uma série de invasões de oito prédios públicos e privados na região central da cidade.

O grupo extremista é comandado por um ex-camelô chamado Ananias Pereira dos Santos, apontado por moradores como responsável por administrar os recursos arrecadados com o aluguel de até R$ 400 cobrados das famílias nas ocupações.

De acordo com informações do Estadão:

A ascensão do MLSM, que ainda ocupa sete prédios na região, coincide com a do líder do movimento. Além das ocupações, Ananias teria pontos de comércio alugados na Feira da Madrugada, centro popular de compras na região do Brás, e barracas locadas para outros ambulantes nos bairros da República e Santa Ifigênia.

Ainda segundo os relatos, ele circula pela região em um carro de luxo, que seria um GM Captiva branco, e tem como aliados à frente do movimento Hamilton Resende, coordenador-geral do grupo, e Ricardo Luciano Lima, líder da ocupação do edifício do Largo do Paiçandu, onde viviam cerca de 300 pessoas.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *