Parlamentares criticam participação de Bolsonaro em protestos

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Bolsonaro foi alvo de ataques de parlamentares após participar de manifestação em Brasília.

Membros do Congresso Nacional reagiram a participação do presidente da República, Jair Bolsonaro, aos protestos populares realizados, neste domingo (19), em Brasília.

Os principais alvos das manifestações foram o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do Senado, Davi Alcolumbre, e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Alguns manifestantes carregavam cartazes pedindo a intervenção militar, fato que ganhou destaque nas reportagens dos veículos de imprensa do Brasil.

Vários políticos aproveitaram a oportunidade para fazer ataques ao presidente Bolsonaro, classificando a participação dele em um dos atos como um “incentivo à desobediência” e uma “escalada antidemocrática”.

O deputado Rodrigo Maia disse que o País precisa lutar contra o “vírus do autoritarismo”:

“O mundo inteiro está unido contra o coronavírus. No Brasil, temos de lutar contra o corona e o vírus do autoritarismo. É mais trabalhoso, mas venceremos. Em nome da Câmara dos Deputados, repudio todo e qualquer ato que defenda a ditadura, atentando contra a Constituição.”

O senador Álvaro Dias (PR) afirmou que Bolsonaro credita ao Congresso os problemas do seu governo:

“Fica difícil aceitar essa transferência de responsabilidade para o Congresso do fracasso do governo federal. O presidente age como se estivesse em um parque de diversões.”

O senador Weverton Rocha (MA) disse que Bolsonaro se mantém em um palanque e que “cruzou a linha da irresponsabilidade”:

“Se mantém em palanque e incita um movimento, que pode ter como consequência a morte de inúmeros brasileiros. Já faz tempo que cruzou a linha da irresponsabilidade e se tornou crime contra a saúde pública.”

Já o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) afirmou que o mesmo Bolsonaro que chama o Centrão para negociar é o mesmo que crítica a “velha política”. 

 “Não se governa da caçamba de uma pick-up. E não se lidera mentindo para as pessoas”, disse Alessandro, segundo a revista Oeste.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.