PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Patrícia Lélis fichada pela polícia dos EUA

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Lelis ficou conhecida nacionalmente por acusações suspeitas contra deputados.

A jornalista e militante política, Patrícia Lélis, foi fichada pela polícia do condado norte-americano de Arlington, na Virgínia, no dia 20 de dezembro de 2019.

De acordo com informações da organização Arrests, um site que arquiva fotos, informações e os motivos de detenção de pessoas presas nos Estados Unidos, Lélis foi detida às 16h33 por “convocar falsamente a polícia” ou por “falsa comunicação de crime”.

Foto: Reprodução/Arrests.org

É importante ressaltar que a organização Arrests deixa claro que “as pessoas apresentadas no site podem não ter sido condenadas pelas acusações ou crimes listados e são consideradas inocentes até que se prove o contrário”.

O rodapé do site acrescenta que as informações veiculadas podem não ser verídicas e ressalta que “as informações e fotos apresentadas foram coletadas dos Escritórios do Condado de Xerife ou do Secretário de Justiça”.

De acordo com o site Terça Livre, no portal do sistema judiciário do Estado da Virgínia também consta a informação da detenção de Lélis.

O caso — identificado no sistema pelo código GC19005382-00 — está relacionado à ativista brasileira por “falsa comunicação de crime”.

Foto: Reprodução/Terça Livre
Foto: Reprodução/Terça Livre

A indústria de publicação de fotos de detentos é um nicho de mercado do jornalismo dos Estados Unidos. O setor é composto por empresas que publicam fotos e informações de indivíduos presos por agências policiais.

A jornalista Patricia Lelis, que também é militante política alinhada à esquerda, ficou conhecida nacionalmente por acusações suspeitas contra os deputados Marco Feliciano e Eduardo Bolsonaro.

Em julho de 2019, a Justiça do Distrito Federal arquivou uma denúncia de Lélis contra Eduardo.

“É possível que a conversação registrada seja uma simulação”, disse o Instituto de Criminalística da Polícia Civil sobre os prints apresentados como prova pela jornalista, como noticiou a RENOVA.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.