Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
- PUBLICIDADE -

Patrícia Lélis fichada pela polícia dos EUA

Tarciso Morais

Tarciso Morais

COMPARTILHE

Lelis ficou conhecida nacionalmente por acusações suspeitas contra deputados.

A jornalista e militante política, Patrícia Lélis, foi fichada pela polícia do condado norte-americano de Arlington, na Virgínia, no dia 20 de dezembro de 2019.

De acordo com informações da organização Arrests, um site que arquiva fotos, informações e os motivos de detenção de pessoas presas nos Estados Unidos, Lélis foi detida às 16h33 por “convocar falsamente a polícia” ou por “falsa comunicação de crime”.

Foto: Reprodução/Arrests.org

É importante ressaltar que a organização Arrests deixa claro que “as pessoas apresentadas no site podem não ter sido condenadas pelas acusações ou crimes listados e são consideradas inocentes até que se prove o contrário”.

O rodapé do site acrescenta que as informações veiculadas podem não ser verídicas e ressalta que “as informações e fotos apresentadas foram coletadas dos Escritórios do Condado de Xerife ou do Secretário de Justiça”.

De acordo com o site Terça Livre, no portal do sistema judiciário do Estado da Virgínia também consta a informação da detenção de Lélis.

O caso — identificado no sistema pelo código GC19005382-00 — está relacionado à ativista brasileira por “falsa comunicação de crime”.

Foto: Reprodução/Terça Livre
Foto: Reprodução/Terça Livre

A indústria de publicação de fotos de detentos é um nicho de mercado do jornalismo dos Estados Unidos. O setor é composto por empresas que publicam fotos e informações de indivíduos presos por agências policiais.

A jornalista Patricia Lelis, que também é militante política alinhada à esquerda, ficou conhecida nacionalmente por acusações suspeitas contra os deputados Marco Feliciano e Eduardo Bolsonaro.

Em julho de 2019, a Justiça do Distrito Federal arquivou uma denúncia de Lélis contra Eduardo.

“É possível que a conversação registrada seja uma simulação”, disse o Instituto de Criminalística da Polícia Civil sobre os prints apresentados como prova pela jornalista, como noticiou a RENOVA.

- PUBLICIDADE -
Error: Embedded data could not be displayed.
TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
VEJA TAMBÉM
Error: Embedded data could not be displayed.