Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Paulo Preto colocava dinheiro da propina ao sol para não mofar

Paulo Preto colocava dinheiro da propina ao sol para não mofar
COMPARTILHE

O ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, vulgo Paulo Preto, apontado como operador do PSDB, colocava notas de dinheiro ao sol “para que elas não mofassem”.

Segundo o procurador da República Roberson Pozzobon, a informação foi confirmada por delatores que colaboraram com a Operação Lava Jato.

Além da prisão de Paulo Preto, os policiais federais que participam da Operação Ad Infinitum, fase 60 da Lava Jato, lançada na manhã desta terça-feira (19), também fizeram buscas em endereços do ex-ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira.

Inclusive, Aloysio é acusado de ter recebido, em 2007, um cartão de crédito vinculado à conta utilizada por Paulo Preto para receber propina em um banco da Suíça, como noticiou a RENOVA.

Uma das bases da investigação é a delação premiada do operador de propinas Adir Assad.

Em um trecho da sua delação, segundo o jornalista Fausto Macedo, Assad afirmou:

“O escárnio era tão grande que Adir Assad revelou que não conseguiu buscar todos os valores por si, mandou emissários buscarem o dinheiro nesse endereço de Paulo Preto. Esses emissários falaram: ‘olha, às vezes a gente ia buscar o dinheiro nesse apartamento, tinha um quarto só para guardar notas de dinheiro. Só que como era um quarto úmido, algumas vezes a gente via Paulo Preto colocando as notas de reais para tomar sol, porque senão elas emboloravam’.”

E acrescentou:

“Paulo Preto possuía um grande volume de recursos em espécie no Brasil. Segundo Adir Assad relatou, ele pretendia remeter esses valores ao exterior e fez isso com essa operação casada para a Odebrecht.”

De acordo com o procurador Roberson Pozzobon, o “bunker” de dinheiro de Paulo Preto tinha o dobro de dinheiro do que o que havia no apartamento usado pelo ex-deputado Geddel Vieira Lima para armazenar dinheiro de propina.

Segundo o procurador, o operador do PSDB tinha cerca de R$ 100 milhões em espécie em dois apartamentos em São Paulo, como registrou o G1.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários