Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Pazuello rebate pressão de Doria em reunião com governadores

Pazuello rebate pressão de Doria em reunião com governadores
COMPARTILHE

“Não sei porque o senhor fala tanto como se fosse do Estado”, diz Pazuello sobre a vacina chinesa.

A reunião do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, com governadores, nesta terça-feira (8), teve momentos de tensão.  

O governador de São PauloJoão Doria (PSDB), cobrou uma posição de Pazuello sobre a compra da vacina da China contra o coronavírus

Na reunião, Doria insinuou que Pazuello estava agindo e forma ideológica e política: 

“A vacina do Coronavac não teve nenhum investimento do governo federal. A vacina também não foi aprovada pela Anvisa. O que difere, ministro, a condição e a sua a sua gestão como ministro da Saúde de privilegiar duas vacinas em detrimento de outra vacina? É uma razão de ordem ideológica? É uma razão de ordem política? Ou é uma razão de falta de interesse de disponibilizar mais vacinas?” 

O tucano acrescentou: 

“O senhor, na última reunião, com 24 governadores, anunciou que compraria 46 milhões… infelizmente o presidente da República desautorizou senhor, foi deselegante com o senhor e, em menos de 24 horas, impediu que a sua palavra fosse mantida perante os governadores. Seu ministério vai comprar a vacina Coronavac sendo aprovada pela Anvisa? Sim ou não?” 

Em resposta, Pazuello afirmou que não descarta a compra, mas que o negócio só será fechado se houver demanda e que o preço do produto também será considerado. 

O ministro da Saúde ainda enfatizou que a vacina chinesa está sendo produzida pelo Instituto Butantã, não pelo governo de Doria: 

“A vacina do Butantã, que não é do Estado de São Paulo, tá governador, é do Butantã. Não sei porque o senhor fala tanto como se fosse do Estado. É do Butantã.”  

Pazuello acrescentou: 

“O Butantã é o nosso fabricante de vacina do nosso país. É respeitado por isso. O Butantã, quando concluir seu trabalho e tiver vacina registrada, avaliaremos a demanda. Se houver demanda, e houver preço, vamos comprar.” 

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
8 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
Maria
Maria
1 mês atrás

Só mise en scène. Em outras palavras ele disse que comprará a vacina depois de pronta.

Conan
Conan
Responder  Maria
1 mês atrás

Não é “depois de pronta”, o ministro não falou nada disso é melhor você ler o artigo novamente. Se a Coronavac demostrar segurança, eficiência, confiabilidade, sendo aprovada pela Anvisa e cada dose tiver um preço razoável, tendo demanda o governo federal se propõem a compra-la.

Maria
Maria
Responder  Conan
1 mês atrás

Aprenda a ler contextos e não somente textos.

Bastos
Bastos
Responder  Maria
21 dias atrás

Ler contextos?… Ou vc que dizer inferir o que você pensa apartir de um texto… Pois o texto se lê e após lido se têm o entendimento, e tirando a sua inferência eu concordo com o Conan, pois é só ler o texto.

Vicente
Vicente
1 mês atrás

É no mínimo muito suspeito essa tara de Doriana com a vachina! Preocupação com o povo de SP sabemos que não é! O que será?

Conan
Conan
Responder  Vicente
1 mês atrás

Com certeza deve ter fechado alguma coisa ($$$$$) por debaixo do pano com o governo chinês e prometido a chinesada ganhos extraordinários só que a coisa não esta andando exatamente como ele havia planejado e xing ling esta botando pressão em cima dele, tai a razão do desespero desse FDP.

Fernando Fuhr
Fernando Fuhr
1 mês atrás

Passou da hora de alguém dar um cala a boca nesse verme

Abner contra a esquerda libertinosa e centrão lixo
Abner contra a esquerda libertinosa e centrão lixo
1 mês atrás

No mínimo obscuro, toda essa ênfase pela vacina chinesa, sendo que há outras empresas mais tradicionais no mercado, ué a prioridades não é a segurança do povo? Ou Será, que há os “interesses”, a “lucratividade” está acima da segurança?

PUBLICIDADE