Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

PCC se une com quadrilhas do RJ para tomar tráfico na Rocinha

COMPARTILHE

Principal grupo criminoso de São Paulo faz aliança com nova organização criada nos presídios fluminenses com apoio de ex-chefe do tráfico na comunidade.

De acordo com informações do G1:

A [quadrilha] TCA-1533 começou a se desenhar quando, em 2016, integrantes do PCC romperam a parceria com o Comando Vermelho, considerada a maior facção carioca. Na ocasião, 120 detentos de São Paulo que cumpriam pena em três presídios pediram a transferência para unidades chamadas de “neutro”. Todos dividiam unidades com o CV.

Por determinação do então subsecretário Sauler Sakalem foi tomado um procedimento diferente: os presos do PCC foram enviados para Bangu 4, onde ficam os detentos da ADA. O acordo entre as duas facções se consolidou.

Criminosos em liberdade e parentes passaram a ir morar em comunidades dominadas pela ADA como o Morro de São Carlos, na região central do Rio, e a favela da Rocinha, na Zona Sul.

Em setembro, apareceu um indício de que a união entre TCP e ADA já estava encaminhada: o agente penitenciário Marcelo Aparecido de Lima foi preso pelo Ministério Público estadual guardando dinheiro das duas facções no presídio Carlos Tinoco, em Campos, no Norte Fluminense. Marcelo responde a processo preso.

Entre outubro e dezembro do ano passado, a movimentação de presos chamou a atenção dos órgãos de inteligência da Secretaria de Segurança e da PF: 840 presos solicitaram a transferência de Bangu 4 para a Lemos de Brito, cadeia do TCP. Novamente sem questionamentos das autoridades, todos foram transferidos.

A Seap informou que as transferências são determinadas pelo Subsecretário de Gestão Operacional da pasta. O Secretário de Estado de Administração Penitenciária, David Anthony Gonçalves Alves, admitiu que o número de transferências impressiona.

“É um número alto que me impressionou. Estou reunindo o ‘staff’ para que o quantitativo de transferências seja controlado e que estas só aconteçam por um motivo justificado. A rotina de incluir os dados de transferências da porta de entrada para as demais unidades será desconsiderada, pois assim aumentará o controle e transparência. Essa inclusive foi uma das demandas apresentadas na primeira reunião com a Defensoria Pública”, afirmou.

Em 2016, mais de 65 mil transferências foram realizadas, contando os ingressos nas portas de entradas do sistema penitenciário e posterior deslocamentos para outras unidades prisionais, além de transferências para hospitais penitenciários.

A Seap investiga se houve irregularidades nas transferências, que juntaram itegrantes de ADA e TCP, e de PCC e ADA.

Leia a continuação da matéria clicando AQUI.

 

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE