Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

PGR sai em defesa do inquérito sobre atos antidemocráticos

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Pai de Augusto Aras diz que filho nunca foi de esquerda
Imagem: Roberto Jayme/TSE
COMPARTILHE

“Nunca me ocorreu na vida que um dia eu iria invocar a Lei de Segurança Nacional”, disse Aras.

O Procurador-Geral da República (PGR), Augusto Aras, saiu em defesa, nesta sexta-feira (25), do inquérito tramitando no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a realização de atos antidemocráticos.

O inquérito, que foi uma requisição da própria PGR, é apontado por apoiadores do presidente da República, Jair Bolsonaro, como uma forma de ataque ao governo.

Em entrevista à revista Veja, Aras foi questionado se a democracia no Brasil está correndo “algum tipo de risco”, e respondeu:

“Nunca me ocorreu na vida que, depois de quarenta anos de carreira jurídica, um dia eu iria invocar a Lei de Segurança Nacional. Mas a verdade é que surgiram atos antidemocráticos que de alguma forma desafiavam a LSN, e eu não titubeei em requerer a instauração desse inquérito. As investigações estão em curso, e o que eu acho muito importante nesse momento é verificar que os atos contra as instituições praticamente cessaram. A nossa atuação mitigou aquela incitação que vinha crescendo, pondo em risco a nossa democracia.”

“O fato de o presidente da República ter mostrado apoio a algumas dessas manifestações revela o quê?”, indagou o repórter da Veja.

Augusto Aras replicou:

“Tivemos aquele episódio da presença do presidente da República no quartel e enfrentamos a discussão. O problema são as circunstâncias. Para nós, preservar a liberdade de expressão de qualquer cidadão e do presidente da República, como cidadão e como autoridade, também tem o mesmo valor.”

- PUBLICIDADE -
TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram