Polícia politicamente correta faz o crime em Londres crescer

Não chega a ser nada parecido com os índices do Brasil, mas assaltantes em motos e gangues de jovens estão aproveitando os absurdos do policiamento politicamente correto na Inglaterra.

Motoboys brasileiros em Londres estão preocupados. “Isso aqui não era assim, não”, dizem quase que unanimemente.

Não é qualquer lugar que consegue impressionar brasileiros, mas as autoridades de Londres, capital da Inglaterra, estão se esforçando para piorar a vida dos cidadãos da metrópole global.

De acordo com informações da jornalista Vilma Gryzinski na VEJA:

O aumento “galopante” inclui 35 homicídios de jovens, geralmente a facadas, nos últimos doze meses (25%), assaltos em geral (30%) e assaltos com uso de motos (50%). No mês de fevereiro, um marco simbólico foi cruzado: houve ao todo 15 homicídios em Londres, contra 11 em Nova York.

O uso de ácido, uma prática monstruosa originalmente de imigrantes paquistaneses contra mulheres que “saíssem da linha”, migrou para a criminalidade comum.

As mortes a facadas são produto de brigas de gangues de jovens que ficam se desafiando pelas redes sociais até partir para a violência. Brigas de escola, de muitos anos, viram incidentes letais e geram um ciclo de vinganças.

Praticamente 100% são da categoria chamada BAM (Black And Other Minorities, ou negros e outras minorias). Concentram-se, obviamente, em áreas de bairros mais pobres.

Em nenhum lugar esta informação é dita claramente, nem por autoridades policiais nem pela imprensa devido ao medo de que isso possa ser interpretado como uma forma de discriminação.

Policiais, por exemplo, podem ser mandados para a reeducação politicamente correta a qualquer desvio. No mundo real, todos sabem, evidentemente, disso – inclusive mães que pedem proteção para seus filhos em áreas de risco.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia