Polícia prende secretário de seção que questionou voto em Bolsonaro

Idiomas:

Português   English   Español
Polícia prende secretário de seção que questionou voto em Bolsonaro
TARCISO MORAIS
TARCISO MORAIS
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

Homem foi liberado depois de assinar termo circunstanciado neste domingo (28), em Campo Mourão. Segundo a PM, ele chamou candidato de ‘louco’ depois de ver adesivo.

A Polícia Militar (PM) prendeu um secretário de seção suspeito de questionar o voto de uma eleitora em Campo Mourão, na região centro-oeste do Paraná, por volta das 11h30 deste domingo (28).

O caso ocorreu em uma seção do Colégio Estadual Unidade Polo, no bairro Jardim São Pedro.

De acordo com o delegado Gustavo Pinho Alves, o homem, ao ver um adesivo colado na roupa da mulher, questionou a escolha dela, alegando que não seria o melhor candidato, que o candidato “não gosta de mulheres e de gays” e é “louco”.

O secretário de seção foi encaminhado à delegacia, onde assinou um termo circunstanciado pelo crime do artigo 300 do Código Eleitoral: Valer-se o servidor público da sua autoridade para coagir alguém a votar ou não votar em determinado candidato ou partido.

O crime tem pena de detenção de até seis meses e pagamento de 60 a 100 dias-multa. O suspeito assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). e foi liberado.

 

Adaptado da fonte G1

Newsletter RENOVA

Receba diariamente as principais notícias do Brasil e do Mundo.

Curta e compartilhe esta notícia

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on google
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email

Deixe seu comentário

Veja outras notícias em destaque