Policiais da Nicarágua se negam a reprimir manifestação

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Cerca de 200 agentes antidistúrbios foram retirados da Polícia Nacional da Nicarágua após se negarem a reprimir um protesto contra o presidente esquerdista Daniel Ortega.

A informação é da ONG Comissão Permanente Nacional de Direitos Humanos (CPDH).

Esses agentes são a força policial mais usadas pelo governo em operações que as organizações humanitárias consideram como “repressivos” desde o início das crise política em abril, que já deixou pelo menos 128 mortos no país.

Segundo a CPDH, além dos agentes, outros 60 oficiais renunciaram aos cargos, um deles um policial que teve o filho morto por um colega de trabalho em uma operação para reprimir um protesto.

De acordo com informações do BOL:

Como resultado da saída dos agentes, a Polícia Nacional está utilizando profissionais que acabaram de sair do treinamento, quase sem preparação, indicou a ONG.

A Nicarágua completa hoje 50 dias de uma crise que deixou pelo menos 127 mortos e mais de mil feridos, de acordo com a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

Hoje, em um protesto na cidade de Masaya, um homem, de 33 anos, morreu após ser baleado pela polícia, informaram os manifestantes, elevando o número de vítimas para 128.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.