Português   English   Español
Português   English   Español

Poluição mata mais de 200 golfinhos em baía do Rio

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

A repentina morte de mais de 200 golfinhos em uma área portuária do Rio de Janeiro causou preocupação a ambientalistas.

Algo sinistro estava ocorrendo nas águas turquesa da Baía de Sepetiba, um porto florescente nas proximidades do Rio de Janeiro. No final do ano passado, alguns pescadores começaram a se deparar com as carcaças feridas, macilentas de golfinhos, às vezes, cinco em um único dia, boiando.

Desde então, os cientistas descobriram, neste mesmo lugar, mais de 200 golfinhos Guiana mortos (cujo nome científico é Sotalia guianensis), um quarto do que era a maior concentração mundial desta espécie. As mortes, causadas por falência dos sistemas respiratório e nervoso relacionadas a um vírus diminuíram, mas os cientistas estão trabalhando para descobrir a causa.

Como é possível, eles se perguntam, que um vírus que poderia ter causado a morte de apenas alguns animais possa ter acabado com dezenas deles? E será que parte da resposta se encontra na própria baía, uma evidência ao mesmo tempo do poderio econômico do Brasil e de uma ameaça de risco ambiental?

Os golfinhos da Guiana são considerados “sentinelas”, logo “quando algo errado acontece com eles, é sinal de que todo o ecossistema está sendo destruído”, disse Mariana Alonso, bióloga do Instituto de Biofísica da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

“O número de indústrias e de empresas ao longo da baía cresceu exponencialmente nos últimos anos”, disse Mariana. “Isso gera uma maior concentração de poluentes no leito do mar e na cadeia alimentar”.

Os cientistas atribuíram a série de mortes dos golfinhos ao morbillivirus, um vírus transportado pelo ar da mesma família que causa o sarampo nos seres humanos. Os efeitos do vírus – erupções na pele, febre, infecção respiratória, desorientação – sugerem uma morte horrível. Os golfinhos mortos foram vistos nadando de lado e sozinhos. Algumas carcaças tinham deformações feias, e sangue jorrava de seus olhos.

Sergio Hirichi, 49, um pescador nascido na região, disse que está assistindo ao declínio ambiental da baía. “Daqui, eu vejo muito lixo mineral indo para o oceano”, afirmou. “A Baía de Sepetiba é um estuário, um viveiro de espécies. E a sua destruição é a destruição da vida marinha”.

 

Com informações de: [Estadão]

Compartilhe_

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Comentários_

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Outras Notícias_

Newsletter

Inscreva seu email na RENOVA para receber atualizações diárias com as últimas notícias do Brasil e do mundo.

Nome:

Email: