Prefeito tucano preso pela PF com mais de 5 milhões em dinheiro vivo

A operação Prato Feito, deflagrada na quarta-feira (9), fez buscas em 30 prefeituras do estado de São Paulo, entre elas a do município de Mongaguá, onde a dinheirama foi apreendida na casa do prefeito tucano da cidade.

A Operação da PF põe sob suspeita pelo menos 30 prefeituras paulistas. Treze prefeitos são investigados, além de quatro ex-prefeitos, 27 funcionários públicos, um vereador e 29 empresas. Também são alvo da PF e da Controladoria-Geral da União secretários municipais e lobistas.

Agentes da Polícia Federal encontraram R$ 4.613.610 e mais US$ 216.763 em espécie na residência do prefeito Artur Parada Prócida (PSDB) nessa quarta-feira (9).

Ele foi preso em flagrante por crime de lavagem de dinheiro. Aliados do tucano disseram que o grande volume de cédulas de reais e dólares encontrado em sua casa será explicado às autoridades.

De acordo com informações do Estadão:

Em outra cidade, Mauá, na Grande São Paulo, os federais fizeram mais dois flagrantes contra outros dois agentes políticos, com quem foram localizados os montantes de R$ 588.417 e R$ 87 mil em dinheiro vivo. Um dos presos é o secretário de Governo de Mauá, João Gaspar (PRP).

A PF pediu a prisão de 62 investigados, mas a Justiça Federal autorizou apenas buscas.

O balanço da grande missão, divulgado no final da tarde desta quarta, 9, mostra que todos os 154 mandados de busca e apreensão foram cumpridos.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia