Português   English   Español

Procurador ativista do #MeToo acusado de agredir mulheres

eric-feminista

Quatro mulheres que se relacionaram com Eric Schneiderman, ex-procurador-geral de Nova York, o acusam de comportamento violento, ameaças físicas e “jogos sexuais” não consentidos.

Ironicamente, Eric – 63 anos – ganhou muito destaque nos últimos tempos no movimento #MeToo, contra o assédio sexual.

Ele foi o responsável por processar o magnata de Hollywood Harvey Weinstein, denunciado por dezenas de mulheres por abuso de poder e assédio sexual.

O procurador também liderou uma campanha para exigir uma indenização maior para vítimas dos supostos crimes sexuais cometidos por Weinstein.

Segundo informações do jornal O Globo:

Na reportagem publicada nesta segunda-feira, duas mulheres denunciaram o procurador-geral abertamente, enquanto outras duas o fizeram em condição de anonimato. Mannig Barish, uma das supostas vítimas, garantiu ter mantido uma relação com Schneiderman entre meados de 2013 e o final de 2015. Outra mulher, identificada como Tany Selvaratnam, revelou ter mantido um relacionamento de um ano com o procurador entre 2016 e 2017.

As duas afirmam que foram agredidas por Schneiderman em várias ocasiões quando ele estava sob o efeito de bebidas alcoólicas. De acordo com as mulheres, essas agressões não tinham o consentimento delas, que interpretaram isso como uma tentativa de dominá-las física e psicologicamente. Segundo as moças, o ex-senador democrata do estado de Nova York chegou a golpeá-las com força e tentou estrangulá-las. As denunciantes alegam que ele as ameaçou de morte caso elas deixassem a relação.

Uma terceira mulher que também manteve um relacionamento amoroso com ele pediu anonimato porque tem medo de revelar sua identidade. Ela contou histórias semelhantes às de Mannig Barish e Tany Selvaratnam. Uma quarta mulher disse que Schneiderman lhe deu um tapa quando ela o rejeitou, mas também pediu para não ser identificada.

O procurador-geral de Nova York não suportou a pressão e renunciou na noite de segunda-feira (8), um fato amplamente reportado pela maioria dos veículos da imprensa internacional.

Não seria errado supor que a grande mídia norte-americana estaria dando uma ênfase gigantesca a este assunto. Afinal, trata-se da figura de um dos procuradores mais influentes do país, envolvido com o movimento feminista de denúncias, sendo acusado de agredir várias mulheres.

Mas, analisando a página principal da edição norte-americana do site da CNN às 12:40 desta terça-feira (8), podemos perceber como a velha imprensa simplesmente ignora certas notícias quando o envolvido faz parte da agenda globalista.

Nenhuma matéria na página principal da CNN fala sobre o caso do procurador-geral de NY

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

Deixe seu comentário

Veja também...