Promotoria pede destituição de direção da FGV por suposta fraude

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

A fraude teria sido cometida em contrato com o governo estadual na gestão Sérgio Cabral.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) pediu à Justiça, nesta segunda-feira (10), a destituição da diretoria da Fundação Getulio Vargas (FGV) por suposta fraude cometida em contrato com o governo estadual na gestão Sérgio Cabral.

O pedido visa a retirada do presidente da instituição, Carlos Ivan Simonsen Leal, do vice, Sérgio Franklin Quintella, e dos diretores da FGV Projetos:

  • César Cunha Campos;
  • Ricardo Pereira Simonsen;
  • Sidnei Gonzalez dos Santos;
  • Ocário Silva Defaveri.

Todos os citados foram alvos de uma ação civil pública que aponta desvio de finalidade da fundação para obtenção de lucros indevidos por sua atividade.

Em nota à imprensa, a FGV disse que “trata-se de medida por demais arbitrária, que causará danos irreparáveis e consequências gravíssimas a uma instituição reconhecida mundialmente pela sua competência”, destaca o jornal Folha.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.