Protestos na Coreia do Sul contra refugiados muçulmanos

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Cerca de 520.000 cidadãos assinaram uma petição contra a política de migração do governo da Coreia do Sul.

A maioria deles está preocupada com os refugiados muçulmanos do Iêmen e com os imigrantes ilegais explorando a economia do país.

“Ficou muito ruim nas últimas semanas e é tudo porque o governo introduziu um programa permitindo que pessoas de 186 países viessem aqui sem visto de turista”, diz Hank Kim, dono da Core Travel Agency.

Kim continua:

Os locais estão preocupados. Todos nós lemos sobre os problemas que os imigrantes causaram na Europa – principalmente na Alemanha e na França – e nós não queremos que isso aconteça aqui.

Houve também um protesto na prefeitura de Seul contra o programa de isenção de visto, no qual centenas de pessoas participaram.

‘Pedimos ao governo que pense nos cidadãos coreanos antes dos refugiados’, disse um organizador do evento.

E acrescentou:

Nós não somos contra todos os refugiados. Mas não devemos aceitar estrangeiros que tentam explorar esta política como um meio de buscar interesses econômicos e evitar o recrutamento em seus países.

Hank Kim, o dono da agência de viagens, adicionou:

Também estamos preocupados por causa de sua religião. Nós não tivemos nenhum contato com os muçulmanos antes, mas sabemos que todos eles têm famílias grandes e trazem sua própria cultura, em vez de tentar se adaptar ao lugar onde vivem.

A agitação foi causada por causa de 1.000 refugiados do Iêmen que usaram o programa de vistos para entrar na ilha de Jeju, na Coreia do Sul.

 

Traduzido e adaptado de DW

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.